Victor Leandro Bagy

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Victor
Victor
Victor em 2012
Informações pessoais
Nome completo Victor Leandro Bagy
Local de nasc. Santo Anastácio São Paulo, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasil
Altura 1,93 m[1]
Peso 84 kg[2]
Canhoto
Apelido São Victor
Informações profissionais
Clube atual Brasil Atlético Mineiro
Número 1
Posição Goleiro
Números no Grêmio como Jogador
Jogos Gols Média
65 0 0
  • A estatística pode estar incompleta.
Clubes de juventude
1997
19982000
Brasil São Paulo
Brasil Paulista
Clubes profissionais2
Anos Clubes
20012007
2008–2012
2012–
Brasil Paulista
Brasil Grêmio
Brasil Atlético Mineiro
Seleção nacional3
20092014 Brasil Brasil 0006 0000(0)



Victor Leandro Bagy (Santo Anastácio-SP, 21 de janeiro de 1983) é um futebolista brasileiro que atua como goleiro. Atualmente, joga pelo Atlético Mineiro.

Carreira

Paulista e Ituano

Desde pequeno, Victor apresentou um bom desempenho como goleiro, o que resultou em começar a sua carreira no ano de 1997 nos infantis do São Paulo Futebol Clube aos 14 anos. Com Rogério Ceni demonstrando bom desempenho na equipe profissional do tricolor paulista, Victor decidiu se transferir para outro clube do estado, se mudando de São Paulo para Jundiaí para defender o Paulista Futebol Clube em 1998. Em 2000, aos 17 anos de idade, iniciou sua carreira como profissional no Paulista. No ano de 2002 foi emprestado para o time do Ituano e voltou no ano seguinte. Durante grande parte de sua passagem na equipe jundiaiense, Victor foi reserva de Rafael Wihby Bracali. No ano de 2005, Victor participou da maior conquista da história do Paulista, a Copa do Brasil de 2005, sob liderança do técnico Vagner Mancini. Nesse mesmo ano, coincidentemente, durante a disputa do Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B, enfrentou o Grêmio, sua futura equipe e acabou perdendo por 2 x 1. No ano de 2007, foi titular absoluto do Paulista durante toda a temporada. No ano de 2008, após muitas especulações e rebaixamento precoce para a série C do Campeonato Brasileiro, foi contratado pelo Grêmio FBPA a pedido do técnico Vágner Mancini com quem trabalhou nos tempos de Paulista.

Grêmio

2008

No dia 19 de dezembro de 2007, após a fracassada negociação de renovação de contrato com o goleiro argentino Sebastián Saja, o Grêmio correu durante dias atrás de um goleiro para a estréia do Campeonato Gaúcho de Futebol de 2008. Com a contratação do treinador Vágner Mancini, o mesmo acabou indicando aos tricolores a contratação do goleiro Victor. Dias depois, a contratação foi oficializada com 50% dos seus direitos federativos comprados pela equipe gaúcha.

Chegou no clube com receio de alguns fãs por não ter tido bom resultado com a equipe paulista na ultima temporada, dividindo a titularidade com o também goleiro da equipe, Marcelo Grohe. Após um bom começo de Campeonato Gaúcho, sofrendo poucos gols, e fazendo boas defesas, Victor conseguiu assumir a titularidade, ainda durante a pré-temporada. Acabou lesionando-se e durante esse tempo, assistindo as desclassificações do Grêmio no Campeonato Gaúcho para o Juventude e da Copa do Brasil para o Atlético Goianiense, clube que na época estava disputando a série C. Victor teve de ficar fora dos gramados por cerca de um mês, por causa de uma lesão renal, contraída no jogo do Grêmio contra o Esportivo, em 24 de fevereiro de 2008.[3] Após o retorno da lesão, retomou a titularidade no seu clube. Voltou ao clube na estreia do campeonato brasileiro contra o São Paulo, então campeão do torneio, no Estádio do Morumbi. Passadas as 18 rodadas do primeiro turno, Victor era considerado por especialistas como o melhor goleiro em atividade no futebol brasileiro.[4] O Grêmio foi campeão do primeiro turno do Brasileiro, porém após falhas fora de casa e empates em casa, foi vice campeão da competição para o São Paulo.

2009

No ano seguinte, em 2009, Victor foi titular durante toda a campanha do Campeonato Gaúcho de Futebol, levando sua equipe a final do primeiro turno da competição, mas acabou sendo derrotado por seu arqui rival, o Sport Club Internacional por 2 a 1, no Estádio Beira Rio. Também participou do primeiro Gre-Nal do interior, realizado no Estádio Colosso da Lagoa em Erechim, vitória do rival novamente por 2x1. No segundo turno da competição, foi novamente derrotado na primeira fase de mata mata, sendo eliminado da competição com uma campanha muito abaixo do esperado e resultando em demissão de seu treinador, Celso Roth. Com a Copa Libertadores da América de 2009 em andamento, o Grêmio dividiu as competições, colocando os reservas para disputar o Campeonato Brasileiro de Futebol. Victor foi um dos únicos jogadores titulares a começar os jogos nos dois torneios. Na Libertadores, foi uma das peças fundamentais no fase de grupos, conquistando cinco vitórias e um empate em seis jogos, a melhor campanha dos 32 clubes da competição. Foi destaque ao levar o Grêmio para as semi finais, após passar por Universidad San Martín e Caracas de Peru e Venezuela, respectivamente.

Foi eliminado para o Cruzeiro de Minas Gerais. Até hoje, há polêmica entre os gremistas, pois com a boa fase de Victor, o goleiro acabou sendo convocado para a seleção brasileira para a disputa da Copa das Confederações de 2009, se ausentando no primeiro jogo das finais, quando o Grêmio foi derrotado por 3-1; quem jogou na ocasião foi Marcelo Grohe. No jogo de volta, não fez uma boa atuação, levou dois gols logo no início do jogo, mas sua equipe empatou em 2-2. O Grêmio acabou não produzindo o mesmo nível de futebol do ano anterior, não perdendo nenhuma partida no Estádio Olímpico, porém ficou com uma das piores campanhas do campeonato fora de casa, o que resultou em uma colocação no meio da tabela ao termino do campeonato.

Em julho de 2009, quando disputava a Copa das Confederações, seu futebol chamou a atenção de outros clubes do exterior, e chegou a receber sondagens de dois clubes europeus: O Bari, da primeira divisão do Campeonato Italiano de Futebol e o Benfica, considerado o melhor clube de Portugal. No entanto, por decisão do próprio jogador, do empresário e dos dirigentes gaúchos, Victor decidiu permanecer em Porto Alegre e anunciar inclusive a sua renovação de contrato.[5].

No final do ano, Victor considerou a partida contra o Flamengo, realizada no Estádio Olímpico, em jogo pelo Campeonato Brasileiro no dia 16 de agosto como a melhor realizada ao longo de seus oito anos de carreira. Após sair atrás do placar no começo da partida, Victor fez seis grandes defesas durante a partida inteira, inclusive algumas desperdiçadas pelo atacante Adriano Imperador. No fim, seu time fez quatro gols e venceu por 4x1.[6]. Durante boa parte da temporada as ausências do capitão Tcheco o davam a braçadeira, tornando-o um dos principais líderes do time gremista.

2010

Em 2010, o Grêmio contratou um novo treinador, Silas, e reforços como Borges, Leandro, Douglas e Hugo. Victor por sua vez, assumiu a titularidade durante o ano inteiro e virou o novo capitão da equipe. Participou da campanha que deu ao tricolor gaúcho a conquista do primeiro turno do Campeonato Gaúcho, o primeiro título do goleiro desde que chegou ao Grêmio. No segundo turno, acabou sendo eliminado para o Pelotas no Estádio Olímpico Monumental por 2x1, de virada. Como já estava classificado para a final do campeonato por vencer um dos turnos, enfrentou o Internacional. O Grêmio venceu o jogo por 2x0 com gols de Rodrigo e Borges. Na volta, perdeu por 1-0. Mesmo assim, sagrou-se campeão do Campeonato Gaúcho de Futebol de 2010.

Na Copa do Brasil, após passar por Araguaia Atlético Clube, Votoraty Futebol Clube, Avaí Futebol Clube e Fluminense Football Club, seu time foi eliminado pelo Santos que contava com os então garotos revelações Neymar, Paulo Henrique Ganso, André e o atacante da seleção, Robinho. Após uma vitória por 4-3 no Estádio Olímpico no jogo de ida, Victor não conseguiu evitar a derrota por 3-1 no jogo de volta, impedindo a classificação gremista para a final da competição. No Campeonato Brasileiro o time terminou o primeiro turno nas últimas colocações da tabela e seu treinador foi demitido e substituído por Renato Portaluppi. Com Renato no cargo, Victor perdeu a faixa de capitão para Fábio Rochemback. No segundo turno, o Grêmio conseguiu a quarta colocação na competição, classificando-se para a Copa Libertadores da América de 2011, e melhor campanha no segundo turno com 43 pontos, superando o campeão Fluminense que no primeiro turno fez 30.

Victor ficou de fora da convocação da seleção brasileira do técnico Dunga para a Copa do Mundo de 2010. Após a demissão do treinador da seleção brasileira de futebol e a contratação de Mano Menezes, ex-treinador do Grêmio de 2005 a 2007, Victor foi titular durante o comando inteiro de Mano no ano de 2010, se destacando em amistosos contra os Estados Unidos na vitória de 2-0 e a Argentina na derrota por 1-0.

2011

No Campeonato Gaúcho de Futebol de 2011, após um empate com o Caxias no tempo normal, Victor defendeu duas cobranças de pênaltis, que colocou o Grêmio antecipadamente na final do torneio. No segundo turno, levou sua equipe a final, mas se ausentou devido a mais uma convocação para a Seleção Brasileira de Futebol, ficando de fora do principal jogo. Na final, ainda se ausentou no primeiro jogo, ao qual o Grêmio venceu por 3-2 fora de casa. Retornou no segundo jogo, mas não pode evitar a derrota para o Sport Club Internacional, após gols de Andrés D'Alessandro, Andrezinho e Índio, e vitória colorada por 3-2 no tempo normal, o Grêmio perdeu nos pênaltis por 5-4, com Victor defendendo duas cobranças.

Semanas antes, sua equipe não tinha ido bem na Copa Libertadores da América, classificando-se em segundo na fase de grupos e perdendo nas oitavas de final para o Universidad Católica do Chile por 2x1 e 1x0, jogos dos quais Victor não participou. No meio do ano, foi convocado pelo técnico Mano Menezes para a disputa da Copa América de 2011 sem jogar uma partida sequer. Foi convocado como terceiro goleiro para a disputa do Superclássico das Américas contra a Argentina, onde foi campeão. Em uma partida contra o América Mineiro no Estádio Olímpico, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, Victor completou 200 jogos com a camisa tricolor.

No dia 30 de outubro, participou do reencontro com Ronaldinho pela primeira vez jogando contra o clube gaúcho, em Porto Alegre. Após sair perdendo por 2-0 com gols de Thiago Neves e Deivid, o tricolor virou a partida no segundo tempo com gols de André Lima, Douglas e Miralles.

2012

em 2012, o Grêmio contratou os atacantes Kléber e Marcelo Moreno; e os meias Marco Antônio e Léo Gago. Em uma entrevista cedida ao Globo Esporte, o goleiro afirmou que um time de tradição como o Grêmio não poderia ficar com carências de título e previa um ano glorioso ao seu clube.[7] Em 4 de janeiro, iniciou os primeiros treinamentos para a realização da pré temporada. Semanas mais tarde, estrearia no Campeonato Gaúcho diante do Lajeadense.

No dia 12 de janeiro, durante a pré temporada do Grêmio, Victor afirmou que seu grande objetivo no novo ano era fazer uma temporada excelente com títulos no clube e voltar à Seleção Brasileira, o que não acontecia há um tempo, pois no ano de 2011, chegou a ser reserva de Julio César e Jefferson.[8] Em 13 de janeiro, realizou junto de seus colegas de profissão, um jogo amistoso da pré-temporada que estava sendo realizada em Bento Gonçalves, cidade localizada no interior do Rio Grande do Sul. O confronto foi diante do São Paulo de Bento, equipe amadora local. O Grêmio terminou o primeiro tempo por 3-0 com gols do atacante Kléber e do armador Douglas. No segundo tempo, Victor foi trocado, dando espaço a Marcelo Grohe e o jogo terminou 4-1 para a equipe de Porto Alegre. Com a entrada de Caio Junior como treinador da equipe, Victor passou a ser o capitão do time para a nova temporada, substituindo o volante Rochemback, que mantinha o posto desde 2010. Um dia mais tarde, em 14 de janeiro, esteve presente no seu segundo amistoso na temporada contra o Flamengo de São Valentim, onde sua equipe venceu por 2-1, com gols de Kléber Gladiador e Marcelo Moreno.[9]

No dia 21 de janeiro, nove dias após a sua primeira partida no ano, Victor realizou o seu primeiro confronto no ano em um jogo oficial, válido pelo Campeonato Gaúcho de Futebol de 2012, contra o Lajeadense, clube profissional da cidade de Lajeado e vice campeão da Copa FGF do ano anterior. Em um jogo realizado no Estádio Olímpico Monumental, sua equipe não obteve sucesso, sacramentando a vitória do Lajeadense em Porto Alegre por 2-0, o que causou frustração na torcida gremista, que em grande número, compareceu ao estádio.[10] A primeira vitória do Grêmio e do goleiro Victor em um jogo oficial foi diante do Canoas, por 3-1. Os gols do tricolor gaúcho foram marcados por Gabriel, Kléber e Marcelo Moreno. Com esse resultado, o Grêmio somava seus três primeiros pontos na tabela de classificação. Também somou uma vitória diante do São Luiz, clube da cidade de Ijuí, onde não sofreu gols. Em 5 de fevereiro, participou do seu primeiro Gre-Nal no ano de 2012, mais um para sua. O jogo terminou em 2-2.[11]

Atlético Mineiro

2012

Os seis primeiros meses de 2012 podem ser considerados também os últimos com a camisa 1 do Grêmio. Mantendo a regularidade no gol do clube, se mostrou muito interessado na proposta feita por Alexandre Kalil para defender a equipe do Atlético. Fechou um contrato por 5 temporadas e foi anunciado no dia 29 de junho no twitter do presidente. O goleiro chegou para suprir uma carência deixada por Diego, que saiu do clube em meados de 2007.

Victor foi o goleiro titular na campanha que o Galo fez no campeonato brasileiro de 2012, onde conseguiu ser vice-campeão e levar o Atlético para a Libertadores 2013. Victor voltou a ser convocado para a Seleção Brasileira, após ficar mais de um ano sem vestir a camisa amarela.[12] A temporada foi elogiada pelo próprio goleiro, que pela hospitalidade e receptividade da torcida atleticana, disse parecer estar há anos jogando pelo Galo.[13]

2013

Em 30 de maio de 2013, fez uma importante defesa, quando defendeu um pênalti cobrado por Riascos, aos 47 minutos do segundo tempo, contra a equipe do Tijuana. Tal defesa impediu o gol que eliminaria o Atlético da Copa Libertadores, classificando-o para a fase das semifinais e tornando-o o herói daquela partida.[14][15] No jogo de volta da semifinal contra o Newell's Old Boys, diante da torcida no Estádio Independência, Victor defendeu a última cobrança da equipe adversária na disputa de pênaltis, selando a classificação do clube para a final da Copa Libertadores da América. A partir de então, o goleiro se consagrou e foi nomeado São Victor do Horto. Na final, contra o Olímpia, foi o melhor jogador da partida defendendo mais um pênalti e consagrando o Galo campeão da Copa Libertadores da América em 2013[16].

2014

Já em 2014, continuou marcando a sua história no Clube Atlético Mineiro, quando sagrou-se novamente campeão da Copa do Brasil. Teve grande de participação, sendo a referência no gol e orientando a defesa. Novamente épica, a conquista da Copa do Brasil pelo Clube Atlético Mineiro ficou marcada pela eliminação de alguns dos maiores clubes do país como Palmeiras, Corinthians e Flamengo. Na final, disputada contra o seu maior rival, o Clube Atlético Mineiro se sagrou campeão com gols de Luan, Dátolo e Diego Tardelli.

2015

No dia 18 de março de 2015, na vitória por 1 a 0 sobre o Santa Fé em Bogotá, Victor realizou seu 24º jogo com a camisa do Atlético em Copa Libertadores da América, se tornando assim o jogador com maior número de partidas pelo Galo na competição continental.[17]

Em 29 de julho, renovou seu contrato com o clube até 2019. Com isso, Victor usou, na partida contra o São Paulo pelo Brasileirão, no Estádio Mineirão, uma camisa com o número 2019.[18]

Ainda em 2015, o jogador completou 200 jogos com a camisa alvinegra, e recebeu uma placa comemorativa pelo feito antes da vitória atleticana por 4 a 1 sobre o Flamengo.[19] Nesta mesma partida, o arqueiro defendeu a sétima cobrança de pênalti desde que chegou ao Atlético.[20]

Para finalizar um grande ano, o goleiro do Atlético, foi o único jogador do elenco alvinegro, a jogar todas as partidas disputadas pela equipe. Ao todo foram 64 jogos. Mais uma marca histórica para a lenda que defende a meta Atleticana.[21]

2016

Fato raro em sua carreira, em Março de 2016, Victor sofreu uma entorse no joelho direito e houve uma ruptura do menisco, sendo necessária intervenção cirúrgica. A lesão deixou Victor quase um mês sem treinar com a equipe e disputar partidas.[22]

Três anos após se destacar na campanha do título da Libertadores de 2013 com diversas defesas de pênaltis, no dia 19 de outubro de 2016, Victor voltou a ser o herói de uma classificação atleticana em disputa de pênaltis, ao defender duas cobranças contra o Juventude, que valeram ao Galo uma vaga na semifinal da Copa do Brasil.[23]

Mesmo com a temporada já encerrada, no dia 9 de dezembro de 2016, Victor sofreu uma luxação no ombro direito em uma partida festiva em Jundiaí, interior de São Paulo. O goleiro passará por uma intervenção cirúrgica, sua segunda no ano, com período de recuperação estimado entre três a quatro meses.[24]

2017

Depois de quatro meses longe dos jogos se recuperando de uma lesão no ombro direito, o goleiro Victor estreou na temporada de 2017 apenas no dia 23 de abril. O camisa 1 foi titular na vitória de 3 a 0 sobre a URT, no Independência, na partida de volta da semifinal do Campeonato Mineiro, que confirmou o Galo na decisão do Estadual.[25] A volta de Victor a meta atleticana no momento decisivo do Estadual, e de definição da fase de grupos da Libertadores, contribuiu para o crescimento do sistema defensivo no time, culminando em mais um título mineiro (vencido sobre o arquirrival), e com a classificação antecipada às oitavas da competição continental.[26]

No dia 8 de agosto de 2017, Victor, juntamente com o capitão Leonardo Silva, foi agraciado pela diretoria atleticana com uma placa e uma camisa comemorativa por completarem a expressiva marca de 300 jogos pelo clube. A placa recebida pelo goleiro traz os seguintes dizeres: "No imaginário do torcedor, suas defesas milagrosas e salvadoras estão perpetuadas como feitos históricos. Foram 300 jogos vivendo intensamente a paixão pelas cores do Clube Atlético Mineiro. Vibramos junto com as vitórias, defesas e conquistas que o levaram a galeria de nossos grandes ídolos."[27]

Ainda em 2017, Victor seguiu batendo e marcas e cravando seu nome na centenária historia do clube. No dia 15 de novembro, no empate por 1 a 1 com o Vasco, em São Januário, o goleiro se tornou o jogador que mais vestiu a camisa do Atlético em Campeonatos Brasileiros. O goleiro chegou a 193 partidas, superando Marques que tem 192. Leonardo Silva também chegou a 192 jogos nesta mesma partida.[28]

2018

No dia 14 de março, Victor voltou a ser decisivo para o Galo em uma disputa por pênaltis. Em partida válida pela terceira fase da Copa do Brasil, contra o Figueirense, a vaga foi decidida em cobranças de penais, e o goleiro defendeu duas das cobranças catarinenses, garantindo a classificação atleticana. Com essas defesas, ele chegou a 16 pênaltis defendidos desde que chegou ao Atlético, em 2012. Esse número representa 26% das cobranças adversárias, que tentaram vazar Victor em 61 batidas de penalidades, e pararam 16 vezes no goleiro.[29]

No dia 11 de maio, o clube alvinegro anunciou a extensão do contrato do goleiro Victor por mais um ano e meio. O vínculo do jogador, que terminaria no meio de 2019, foi estendido até o fim do ano de 2020.[30]

Títulos

Paulista
  • Copa do Brasil: 2005
Grêmio
  • Campeonato Gaúcho: 2010
Atlético Mineiro
  • Campeonato Mineiro: 2013, 2015, 2017
  • Copa Libertadores: 2013
  • Recopa Sul-Americana: 2014
  • Copa do Brasil: 2014
  • Florida Cup: 2016
Seleção Brasileira
  • Copa das Confederações FIFA: 2009
  • Superclássico das Américas: 2011

Referências

  1. 2014 FIFA World Cup™ - VICTOR - FIFA.com
  2. Fister, Guilherme (15 de fevereiro de 2009). Em boas mãos Zero Hora.com. Visitado em 16 de fevereiro de 2009.
  3. Goleiro Victor, com lesão renal, fica um mês e meio afastado.
  4. Victor é eleito o melhor goleiro do país pela revista Placar.
  5. [1]Predefinição:Artigos e outros.
  6. [2]Predefinição:Artigos e outros.
  7. [3]
  8. [4]
  9. [5]
  10. [6]
  11. [7]
  12. [8]Predefinição:Artigos e outros.
  13. Victor analisa sua temporada no Atlético-MG: "O balanço é positivo"
  14. 'Salvador', Victor é exaltado após defesa 'mais importante da vida'. Visitado em 30 de Maio de 2013.
  15. Victor revela aplausos no vestiário e diz: 'Cheguei tremendo de emoção'. Visitado em 31 de Maio de 2013.
  16. Lutar, lutar, lutar! Atlético-MG bate Newell’s nos pênaltis e vai à final.. Visitado em 11 de Julho de 2013.
  17. Victor se torna jogador que mais atuou pelo Galo na Libertadores http://globoesporte.globo.com.
  18. Pacotão do Galo tem noche de Pratto, Victor 2019 e novo manto All Black. Visitado em 30 de julho de 2015.
  19. Superesportes. Após completar 200 jogos pelo Atlético, Victor recebe placa comemorativa da diretoria do clube. Visitado em 2015-09-22.
  20. Superesportes. Pênalti defendido contra o Flamengo é o sétimo de Victor desde que chegou ao Atlético. Visitado em 2015-09-22.
  21. Victor e Léo Silva alcançam marcas importantes na última partida de 2015 (em pt-BR) globoesporte.com. Visitado em 2016-01-13.
  22. Cirurgia no joelho direito tira Victor da primeira fase da Taça Libertadores (em pt-BR) globoesporte.com. Visitado em 2016-04-05.
  23. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  24. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  25. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  26. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  27. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  28. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  29. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}
  30. {{#invoke:Citar periódico|periodico}}