Campeonato Brasileiro de Futebol de 2014

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Campeonato Brasileiro de 2014 - Série A
Brasileirão Série A 2014
Brasileirão Chevrolet 2014.jpg
Logotipo oficial da competição, com patrocínio da Chevrolet.
Dados
Participantes 20
Organização CBF
Local de disputa Brasil Brasil
Período 19 de abril7 de dezembro
Gol(o)s 860
Partidas 380
Média 2,26 gol(o)s por partida
Campeão Cruzeiro (4º título)
Vice-campeão São Paulo
Rebaixado(s) Vitória
Bahia
Botafogo
Criciúma
Melhor marcador Fred (Fluminense) – 18 gols
Melhor ataque Cruzeiro – 67 gols
Melhor defesa Grêmio – 24 gols
Maiores goleadas
(diferença)
Botafogo 6–0 Criciúma
Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro
10 de maio, 4ª rodada
 
Goiás 6–0 Palmeiras
Estádio Serra Dourada, Goiânia
21 de setembro, 23ª rodada
Público 6208190[i]
Média 16337.3 pessoas por partida
Premiações
Melhor jogador
(CBF)
Éverton Ribeiro (Cruzeiro)[3]
Melhor treinador Marcelo Oliveira (Cruzeiro)[3]
Melhor árbitro Minas GeraisBR-MG Ricardo Marques Ribeiro[3]
◄◄ 2013 Soccerball.png 2015 ►►

A Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2014, oficialmente Brasileirão Chevrolet 2014 – Série A por motivos de patrocínio,[4] foi a 58ª edição da principal divisão do futebol brasileiro. A disputa teve o mesmo regulamento dos anos anteriores, quando foi implementado o sistema de pontos corridos.

Os jogos tiveram uma pausa durante a Copa do Mundo de 2014, que foi realizada entre junho e julho no Brasil. A competição teve nove rodadas disputadas antes da paralisação.[5]

O título brasileiro foi definido com duas rodadas de antecedência, quando o Cruzeiro foi declarado campeão ao derrotar o Goiás por 2–1, em Belo Horizonte. Foi a quarta conquista do clube mineiro na história.[6]

Além do campeão Cruzeiro e do previamente classificado Atlético Mineiro – campeão defensor da Copa do BrasilSão Paulo[7] e Internacional[8] classificaram-se a Copa Libertadores da América de 2015 via Campeonato Brasileiro. O Corinthians, quarto colocado do campeonato, também garantiu a classificação, porém, na fase preliminar, onde duas equipes se enfrentam em partidas de ida e volta, para então disputar a fase de grupo do torneio continental.[9]

Dentre os rebaixados à Série B de 2015, o Criciúma foi o primeiro clube descendido com o empate em 1–1 com o Flamengo, em São Luís, na 36ª rodada.[10] Na penúltima rodada, o Botafogo, campeão brasileiro em duas ocasiões, também foi rebaixado com a derrota por 2–0 para o Santos, na Vila Belmiro.[11] Vitória e Bahia completaram a relação de rebaixados na última rodada; o primeiro com a derrota para o Santos, por 1–0 em pleno Barradão; e o segundo, com a derrota de virada para o Coritiba por 3–2 no Couto Pereira,[12][13] deixando o estado baiano sem representantes na Série A em 2015.[14]

Regulamento

A Série A foi disputada por 20 clubes em dois turnos. Em cada turno, todos os times jogaram entre si uma única vez. Os jogos do segundo turno foram realizados na mesma ordem do primeiro, apenas com o mando de campo invertido. Não há campeões por turnos, sendo declarado campeão brasileiro o time que obtiver o maior número de pontos após as 38 rodadas.[15] Os quatro primeiros colocados garantiram vaga na Copa Libertadores da América de 2015 e os quatro últimos foram rebaixados para a Série B do ano seguinte.[15]

Critérios de desempate

Em caso de empate por pontos entre dois clubes, os critérios de desempate seriam aplicados na seguinte ordem:[15]

  1. Número de vitórias
  2. Saldo de gols
  3. Gols pró
  4. Confronto direto (soma de resultados dos dois turnos, com gol fora de casa em consideração)
  5. Menor número de cartões vermelhos
  6. Menor número de cartões amarelos
  7. Sorteio

Ao final do campeonato, em caso de empate nos quatro primeiros critérios acima, iria se realizar uma partida de desempate em campo neutro para a determinação do campeão ou definição de descenso. Essa partida seria realizada em até sete dias após o encerramento do campeonato e, em caso de empate, decida através de disputa por pênaltis.[15]

A partir dessa temporada cada equipe poderia colocar em campo até cinco jogadores estrangeiros. Até 2013, era permitido somente três jogadores.[16]

Participantes

Estado Equipe Em 2013 Estádio Capacidade Títulos
Bahia Bahia
(2 vagas)
Bahia 12º Arena Fonte Nova 50 025,00 2 (1959), (1988)
Vitória Estádio Barradão 35 000,00 0 (não possui)
Goiás Goiás
(1 vaga)
Goiás Estádio Serra Dourada 42,00 0 (não possui)
Minas Gerais Minas Gerais
(2 vagas)
Atlético Mineiro Estádio Independência 23 018,00 1 (1971)
Cruzeiro Estádio Mineirão 61 846,00 4 (1966, 2003, 2013)
Paraná Paraná
(2 vagas)
Athletico Paranaense Arena da Baixada 42 370,00 1 (2001)
Coritiba 11º Estádio Couto Pereira 40 502,00 1 (1985)
Pernambuco Pernambuco
(1 vaga)
Sport 3º (Série B) Estádio Ilha do Retiro
Arena Pernambuco
32 983,00 1 (1987)
Rio de Janeiro Rio de Janeiro
(3 vagas)
Botafogo Estádio do Maracanã[BOT] 18 230,00 2 (1968, 1995)
Flamengo 16º Estádio do Maracanã 18 230,00 5 (1980, 1982, 1983, 1992, 2009)
Fluminense 15º Estádio do Maracanã 13 544,00 4 (1970, 1984, 2010, 2012)
Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
(2 vagas)
Grêmio Arena do Grêmio 55 662,00 2 (1981, 1996)
Internacional 13º Estádio Beira-Rio 50 128,00 3 (1975, 1976, 1979)
Santa Catarina Santa Catarina
(2 vagas)
Chapecoense 2º (Série B) Arena Condá 15 765,00 0 (não possui)
Criciúma 14º Estádio Heriberto Hülse 19 300,00 0 (não possui)
Figueirense 4º (Série B) Estádio Orlando Scarpelli 19 584,00 0 (não possui)
São Paulo São Paulo
(4 vagas)
Corinthians 10º Arena Corinthians 47 605,00 5 (1990, 1998, 1999, 2005, 2011)
Palmeiras 1º (Série B) Estádio do Pacaembu[PAL]
Allianz Parque[PAL]
37 730,00
43 600,00
8 (1960, 1967, 1967, 1969, 1972, 1973, 1993, 1994)
Santos Estádio Vila Belmiro 16 068,00 8 (1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1968, 2002, 2004)
São Paulo Estádio Morumbi 72 039,00 6 (1977, 1986, 1991, 2006, 2007, 2008)
Notas
  • BOT. ^ O Estádio Engenhão está interditado para partidas de futebol. O Botafogo manda seus jogos no Maracanã.
  • PAL. ^ O Palmeiras mandou seus jogos no Estádio do Pacaembu até a 33ª rodada. A partir da 35ª rodada passou a utilizar seu próprio estádio, o Allianz Parque.[17]

Indefinição de participantes

Por ter escalado o atleta Héverton Durães Coutinho Alves contra o Grêmio, na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013, a Portuguesa foi julgada e condenada por unanimidade pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva com a perda de quatro pontos. Assim, a equipe paulista caiu para a 17ª colocação, primeira dentro da zona de rebaixamento, livrando o Fluminense da queda para a Série B.[18][19]

Inconformados com a decisão do STJD, torcedores da Portuguesa entraram com várias ações na Justiça comum em 2014 e alguns deles até conseguiram liminares que devolviam o time paulista à primeira divisão,[20] mas a Confederação Brasileira de Futebol conseguiu derrubar uma a uma, questionando a legitimidade dos torcedores para defenderem o clube. Em fevereiro, foi a vez do Ministério Público de São Paulo entrar com uma Ação Civil Pública contra a confederação, mas o pedido foi negado, mantendo a punição.[21]

No começo de abril de 2014, a Portuguesa finalmente entrou na Justiça comum para anular uma decisão do STJD.[22] A decisão inicial da Justiça comum foi favorável à Portuguesa, que recuperava a vaga na Série A perdida para o Fluminense.[23] No entanto, a CBF conseguiu cassar a decisão.[24] Um dia antes da estreia do time na Série B 2014, dirigentes descobriram a existência de uma liminar que mantinha a Portuguesa na Série A.[25] Ainda assim a equipe entrou em campo para enfrentar o Joinville na estreia da Série B, mas abandonou a partida aos 17 minutos após essa liminar chegar as mãos do delegado da partida.[26]

A menos de uma semana do início da Série A, o Icasa obteve uma liminar na Justiça comum para participar da competição.[27] O clube cearense havia terminado a Série B 2013 na quinta colocação, um ponto atrás do Figueirense, porém o time catarinense escalou o jogador Luan de forma irregular (o atleta ainda tinha contrato com outro clube).[28] Dias depois, a CBF conseguiu da Justiça a cassação dessa liminar.[29]

Estádios

Atlético Mineiro Athletico Paranaense Bahia Botafogo Chapecoense Corinthians
Independência Arena da Baixada Arena Fonte Nova Maracanã Arena Condá Arena Corinthians
Capacidade: 23 018,00 Capacidade: 42 372,00 Capacidade: 50 025,00 Capacidade: 78 838,00 Capacidade: 19 325,00 Capacidade: 45 000,00
Estádio Independência.jpg Arena da Baixada.jpg Arena Fonte Nova.jpg Estádio Maracanã.jpg Arena Condá.jpg Arena Corinthians.jpeg
Coritiba
Criciúma
Couto Pereira Heriberto Hülse
Capacidade: 40 502,00 Capacidade: 19 300,00
Estádio Couto Pereira.jpg Estádio Heriberto Hülse.jpg
Cruzeiro Figueirense
Mineirão Orlando Scarpelli
Capacidade: 61 846,00 Capacidade: 19 584,00
Estádio Mineirão.jpg Estádio Orlando Scarpelli.JPG
Flamengo Fluminense
Maracanã Maracanã
Capacidade: 78 838,00 Capacidade: 78 838,00
Estádio Maracanã.jpg Estádio Maracanã.jpg
Goiás Grêmio
Serra Dourada Arena do Grêmio
Capacidade: 42 000,00 Capacidade: 55 500,00
Estádio Serra Dourada.jpg Arena externa.jpg
Internacional Palmeiras Santos São Paulo Sport Vitória
Beira-Rio Allianz Parque / Pacaembu Vila Belmiro Morumbi Ilha do Retiro Barradão
Capacidade: 56 000,00 Capacidade: 43 600,00 / 37 730,00 Capacidade: 16 068,00 Capacidade: 66 795,00 Capacidade: 30 520,00 Capacidade: 35 000,00
Estádio Beira-Rio.jpg Allianz Parque.jpeg Estádio Vila Belmiro.jpg Estádio Morumbi.jpg Estádio Ilha do Retiro.jpg Estádio Barradão.jpg

Outros estádios

Devido a realização da Copa do Mundo FIFA de 2014, alguns estádios foram cedidos para as seleções como centro de treinamento, além dos doze estádios que foram utilizados para a realização do evento. Com isso alguns clubes ficaram impossibilitados de mandar os jogos em seus estádios em algumas rodadas. Outro fator é a perda de mando de campo imposta a alguns clubes por punição do STJD ou simplesmente por opção dos clubes mandar seus jogos em outros locais, geralmente buscando uma melhor renda.[30] Há ainda o caso do Sport Recife, que além de utilizar a Ilha do Retiro, manda jogos na Arena Pernambuco. Com isso os seguintes estádios também são utilizados:[31][32][33][34]

Ainda foram utilizados a Arena da Amazônia em Manaus, Helenão em Juiz de Fora, Juscelino Kubitschek em Itumbiara, Parque do Sabiá em Uberlândia, Pituaçu em Salvador, Prudentão em Presidente Prudente, Estádio Centenário em Caxias do Sul, Estádio do Vale em Novo Hamburgo, Estádio Castelão em São Luís, Estádio Primeiro de Maio em São Bernardo do Campo e o Estádio Moacyrzão em Macaé.[35]

Classificação

v  e

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Minas Gerais Cruzeiro 80 38 24 8 6 67 38 +29 70 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 2015
2 São Paulo São Paulo 70 38 20 10 8 59 40 +19 61 Estável
3 Rio Grande do Sul Internacional 69 38 21 6 11 53 41 +12 60 Estável
4 São Paulo Corinthians 69 38 19 12 7 49 31 +18 60 Estável Primeira fase da Copa Libertadores de 2015
5 Minas Gerais Atlético Mineiro 62 38 17 11 10 51 38 +13 54 Aumento1 Segunda fase da Copa Libertadores de 20151
6 Rio de Janeiro Fluminense 61 38 17 10 11 61 42 +19 53 Baixa1
7 Rio Grande do Sul Grêmio 61 38 17 10 11 36 24 +12 53 Estável
8 Paraná Athletico Paranaense 54 38 15 9 14 43 42 +1 47 Estável
9 São Paulo Santos 53 38 15 8 15 42 35 +7 46 Aumento1
10 Rio de Janeiro Flamengo 52 38 14 10 14 46 47 –1 45 Baixa1
11 Pernambuco Sport 52 38 14 10 14 36 46 –10 45 Estável
12 Goiás Goiás 47 38 13 8 17 38 40 –2 41 Aumento1
13 Santa Catarina Figueirense 47 38 13 8 17 37 47 –10 41 Baixa1
14 Paraná Coritiba 47 38 12 11 15 42 45 –3 41 Estável
15 Santa Catarina Chapecoense 43 38 11 10 17 39 44 –5 38 Estável
16 São Paulo Palmeiras 40 38 11 7 20 34 59 –25 35 Estável
17 Bahia Vitória 38 38 10 8 20 37 54 –17 33 Estável Rebaixados à Série B de 2015
18 Bahia Bahia 37 38 9 10 19 31 43 –12 32 Estável
19 Rio de Janeiro Botafogo 34 38 9 7 22 31 48 –17 30 Estável
20 Santa Catarina Criciúma 32 38 7 11 20 28 56 –28 28 Estável

1Atlético Mineiro tem vaga garantida na Copa Libertadores da América de 2015 por ter sido campeão da Copa do Brasil de 2014.

Confrontos

  ATM ATP BAH BOT CHA COR CTB CRI CRU FIG FLA FLU GOI GRE INT PAL SAN SPA SPT VIT
Atlético-MG 3–1 1–1 1–0 1–0 0–0 1–2 0–0 2–1 1–1 4–0 2–0 0–1 0–0 1–0 2–1 3–2 1–0 3–2 2–0
Athletico Paranaense 1–0 0–0 2–0 1–1 1–0 2–0 2–0 2–3 3–0 2–1 0–3 1–0 1–0 0–1 1–1 1–1 2–2 0–1 2–0
Bahia 1–1 1–2 1–0 0–1 1–2 0–0 0–0 1–2 3–0 2–1 0–1 1–0 1–0 0–1 0–1 0–2 0–2 1–0 1–1
Botafogo 0–0 0–2 2–3 1–0 1–0 1–0 6–0 1–1 0–1 2–1 2–0 1–0 0–2 2–2 0–1 1–0 2–4 1–1 1–1
Chapecoense 1–1 3–0 2–1 2–0 0–1 0–0 1–1 1–1 0–1 1–0 1–0 0–0 1–2 5–0 2–0 1–1 0–0 3–1 0–1
Corinthians 1–0 1–1 1–1 1–1 1–1 2–2 2–1 1–0 0–1 2–0 1–1 5–2 1–0 2–1 2–0 1–0 3–2 3–0 2–1
Coritiba 0–0 1–0 3–2 2–0 3–0 0–0 1–0 1–2 0–2 0–1 1–0 3–0 1–1 1–1 2–0 0–0 3–1 0–1 2–0
Criciúma 3–1 0–1 0–1 1–1 1–0 0–0 1–0 0–0 1–0 0–2 3–2 1–0 0–3 0–0 1–2 3–0 1–2 2–2 1–3
Cruzeiro 2–3 2–0 2–1 2–1 4–2 0–1 3–2 3–1 5–0 3–0 2–1 2–1 1–0 2–1 1–1 3–0 1–1 2–0 3–1
Figueirense 2–2 1–3 0–2 1–0 1–0 1–0 4–0 1–1 1–1 1–2 1–1 0–1 0–1 1–2 3–1 0–2 1–1 3–0 2–0
Flamengo 2–1 1–2 1–1 1–0 3–0 1–0 3–2 1–1 3–0 1–1 1–1 0–0 0–1 2–0 4–2 0–1 0–2 1–0 4–0
Fluminense 0–0 2–1 1–1 1–0 1–4 5–2 1–1 4–2 3–3 3–0 2–0 2–0 0–0 1–1 3–0 1–0 5–2 4–0 1–2
Goiás 2–3 3–1 3–0 2–0 4–2 0–1 3–0 1–0 0–1 1–0 1–0 0–2 0–0 0–1 6–0 2–2 2–1 0–0 0–0
Grêmio 2–1 1–0 1–0 2–1 1–0 2–1 2–3 2–0 1–2 1–0 1–1 1–0 0–0 4–1 0–0 0–0 0–1 2–0 1–0
Internacional 2–1 2–1 2–0 2–0 2–0 1–2 4–2 3–0 1–3 2–3 4–0 2–1 1–0 2–0 3–1 1–0 0–1 2–1 1–0
Palmeiras 0–2 1–1 1–1 0–2 4–2 1–1 1–0 1–0 1–2 1–0 2–2 0–1 2–0 2–1 0–1 1–3 1–2 0–2 2–0
Santos 1–2 2–0 1–0 2–0 3–0 0–1 2–1 2–0 0–1 3–1 0–0 0–1 2–0 0–0 1–2 2–0 0–1 1–1 3–1
São Paulo 2–1 1–0 2–1 3–0 0–1 1–1 2–2 1–1 2–0 1–1 2–2 1–3 3–0 1–0 1–1 2–0 2–1 2–0 3–1
Sport 2–1 1–1 1–0 1–0 2–1 1–4 1–0 2–0 0–0 1–0 2–2 2–2 0–1 0–0 0–0 2–1 3–1 1–0 1–2
Vitória 2–3 2–2 2–1 2–1 0–0 0–0 1–1 3–1 0–1 0–1 1–2 3–1 2–2 2–1 2–0 0–1 0–1 1–2 0–1

Desempenho por rodada

Clubes que lideraram o campeonato ao final de cada rodada:

Rodadas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38
FLU COR INT CRU

Clubes que ficaram na última posição do campeonato ao final de cada rodada:

Rodadas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38
FIG CHA FIG CTB FIG FLA FIG FLA CTB PAL VIT BAH VIT PAL CRI CTB BOT CTB CRI

Estatísticas

Maiores públicos

Estes são os dez maiores públicos do Campeonato:

Público[PP] Mandante Placar Visitante Estádio Data Rodada Ref.
1 58 627,00 São Paulo São Paulo 2–0 Minas Gerais Cruzeiro Morumbi 14 de setembro 21ª [38]
2 56 729,00 Cruzeiro Minas Gerais 2–1 Goiás Goiás Mineirão 23 de novembro 36ª [6]
3 51 994,00 Cruzeiro Minas Gerais 2–1 Rio Grande do Sul Internacional Mineirão 4 de outubro 26ª [39]
4 51 858,00 Flamengo Rio de Janeiro 0–1 Rio Grande do Sul Grêmio Maracanã 6 de setembro 19ª [40]
5 49 534,00 Cruzeiro Minas Gerais 2–3 Minas Gerais Atlético Mineiro Mineirão 21 de setembro 23ª [41]
6 46 512,00 São Paulo São Paulo 1–1 Santa Catarina Criciúma Morumbi 2 de agosto 13ª [42]
7 45 804,00 Cruzeiro Minas Gerais 2–1 Rio de Janeiro Fluminense Mineirão 7 de dezembro 38ª [43]
8 44 975,00 Fluminense Rio de Janeiro 1–2 Bahia Vitória Maracanã 3 de maio [44]
9 43 653,00 Grêmio Rio Grande do Sul 0–1 São Paulo São Paulo Arena do Grêmio 4 de outubro 26ª [45]
10 43 456,00 Grêmio Rio Grande do Sul 4–1 Rio Grande do Sul Internacional Arena do Grêmio 9 de novembro 33ª [46]
  • PP. ^Considera-se apenas o público pagante

Menores públicos

Estes são os dez menores públicos do Campeonato:[PF]

Público[PP] Mandante Placar Visitante Estádio Data Rodada Ref.
1 766,00 Athletico Paranaense Paraná 1–1 Santa Catarina Chapecoense Willie Davids 18 de maio [47]
2 777,00 Figueirense Santa Catarina 0–2 Bahia Bahia Arena Barueri 27 de abril [48]
3 1 063,00 Athletico Paranaense Paraná 2–0 Paraná Coritiba Willie Davids 25 de maio [49]
4 1 271,00 Botafogo Rio de Janeiro 1–0 Paraná Coritiba Raulino de Oliveira 19 de julho 11ª [50]
5 1 345,00 Bahia Bahia 0–1 Rio de Janeiro Fluminense Arena Barueri 24 de maio [51]
6 1 392,00 Goiás Goiás 3–0 Paraná Coritiba Serra Dourada 11 de outubro 28ª [52]
7 1 475,00 Goiás Goiás 4–2 Santa Catarina Chapecoense Serra Dourada 7 de dezembro 38ª [53]
8 1 544,00 Goiás Goiás 3–1 Paraná Athletico Paranaense Serra Dourada 31 de agosto 18ª [54]
9 2 005,00 Chapecoense Santa Catarina 0–0 Goiás Goiás Arena Condá 6 de setembro 19ª [55]
10 2 090,00 Goiás Goiás 1–0 Santa Catarina Criciúma JK 27 de abril [56]

Médias de público

Estas são as médias de público dos clubes no Campeonato. Considera-se apenas os jogos da equipe como mandante e o público pagante:[57][58]

  1. Minas Gerais Cruzeiro – 29 678,00
  2. São Paulo Corinthians – 28 960,00
  3. São Paulo São Paulo – 28 544,00
  4. Rio de Janeiro Flamengo – 26 411,00
  5. Rio Grande do Sul Internacional – 22 318,00
  6. Rio Grande do Sul Grêmio – 21 028,00
  7. São Paulo Palmeiras – 19 755,00
  8. Rio de Janeiro Fluminense – 18 490,00
  9. Pernambuco Sport – 18 220,00
  10. Minas Gerais Atlético Mineiro – 14 132,00
  1. Bahia Bahia – 12 579,00
  2. Paraná Coritiba – 12 329,00
  3. Paraná Athletico Paranaense – 12 237,00
  4. Rio de Janeiro Botafogo – 11 362,00
  5. Bahia Vitória – 10 267,00
  6. Santa Catarina Chapecoense – 10 021,00
  7. São Paulo Santos – 9 243,00
  8. Santa Catarina Criciúma – 9 089,00
  9. Santa Catarina Figueirense – 8 378,00
  10. Goiás Goiás – 6 942,00

Premiação

Campeonato Brasileiro 2014
Série A
Minas Gerais
Escudo Cruzeiro.png
Campeão
(4º título)


Seleção do Campeonato

Pos. Jogador[3] Clube
G Brasil Jefferson Rio de Janeiro Botafogo
Z Brasil Dedé Minas Gerais Cruzeiro
Z Brasil Gil São Paulo Corinthians
LD Brasil Marcos Rocha Minas Gerais Atlético Mineiro
LE Brasil Egídio Minas Gerais Cruzeiro
V Brasil Lucas Silva Minas Gerais Cruzeiro
V Brasil Souza São Paulo São Paulo
M Brasil Éverton Ribeiro Minas Gerais Cruzeiro
M Brasil Ricardo Goulart Minas Gerais Cruzeiro
A Brasil Diego Tardelli Minas Gerais Atlético Mineiro
A Perú Paolo Guerrero São Paulo Corinthians
T Brasil Marcelo Oliveira Minas Gerais Cruzeiro

Referências

  1. http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/publico-brasileirao.html
  2. http://www.srgoool.com.br/classificacao/Brasileirao/Serie-A/2014#estatisticas
  3. 3,0 3,1 3,2 3,3 Éverton Ribeiro leva o bi no Craque do Brasileirão; veja lista de premiados SporTV (1 de dezembro de 2014).
  4. Chevrolet é nova patrocinadora do Campeonato Brasileiro Auto Esporte (28 de abril de 2014).
  5. Com Estaduais reduzidos e pausa da Copa, CBF divulga calendário de 2014 Terra (20 de setembro de 2013).
  6. 6,0 6,1 Tem dono! Cruzeiro bate Goiás e é tetracampeão brasileiro no Mineirão GloboEsporte.com (23 de novembro de 2014).
  7. No adeus de Kaká, Ceni erra feio, e São Paulo e Figueirense empatam GloboEsporte.com (30 de novembro de 2014).
  8. Inter vence Figueira com gol no fim e garante vaga direta à Libertadores GloboEsporte.com (6 de dezembro de 2014).
  9. Timão bate Criciúma, mas não evita duelo eliminatório na Libertadores GloboEsporte.com (6 de dezembro de 2014).
  10. Em jogo de testes, Fla empata com o Criciúma, primeiro rebaixado à Série B GloboEsporte.com (23 de novembro de 2014).
  11. Apagou: Santos vence e rebaixa o Botafogo com dois gols de Damião GloboEsporte.com (30 de novembro de 2014).
  12. Santos vence, rebaixa Vitória e salva o Palmeiras da Série B GloboEsporte.com (7 de dezembro de 2014).
  13. De virada, Coritiba vence Bahia, e Tricolor cai na despedida de Alex GloboEsporte.com (7 de dezembro de 2014).
  14. Com queda de baianos, Brasileirão terá só dois times fora do Sul e Sudeste UOL Esporte (6 de dezembro de 2014).
  15. 15,0 15,1 15,2 15,3 Confederação Brasileira de Futebol (6 de fevereiro de 2014). Regulamento específico do Campeonato Brasileiro da Série A de 2013 CBF.
  16. CBF confirma aumento em limite de estrangeiros para próxima temporada UOL Esporte (6 de dezembro de 2013).
  17. Com filme em telão, novo estádio do Palmeiras tem primeiro evento-teste UOL Esporte (27 de setembro de 2014). Visitado em 28 de setembro de 2014.
  18. Portuguesa é punida e rebaixada, e Flu fica na Série A, mas cabe recurso GloboEsporte.com (16 de dezembro de 2013).
  19. Globoesporte.com (27/12/2013). Lusa cai e Flu se salva com citações a 'Pequeno príncipe' e Mandela 13h25.
  20. Guilherme Costa (10 de janeiro de 2014). Justiça comum emite nova liminar e manda CBF devolver Portuguesa à Série A UOL Esporte.
  21. Guilherme Costa (18 de fevereiro de 2014). Derrota? Pedido de liminar do MP-SP no caso Portuguesa é rejeitado UOL Esporte.
  22. Pedro Lopes (31 de março de 2014). Após hesitação, Portuguesa decide entrar na justiça comum contra CBF UOL Esporte.
  23. Pedro Lopes (10 de abril de 2014). Portuguesa conquista vitória e Justiça nega recurso da CBF Esporte Interativo.
  24. Gonçalo Junior (10 de abril de 2014). CBF obtém duas vitórias e recoloca a Portuguesa na Série B O Estado de S.Paulo.
  25. Guilherme Costa (16 de abril de 2014). Portuguesa "descobre" liminar, volta à Série A e pede adiamento de estreia UOL Esporte.
  26. Justiça determina, e Portuguesa abandona jogo aos 17min do primeiro tempo UOL Esporte (18 de abril de 2014).
  27. Guilherme Costa, Pedro Lopes e Rodrigo Mattos (15 de abril de 2014). Com liminar, Icasa fala até em 'força policial' para parar Brasileirão UOL Esporte.
  28. Pedro Lopes (16 de abril de 2014). Justiça do Rio nega pedido da CBF e mantém Icasa na Série A UOL Esporte.
  29. UOL Esporte (16 de abril de 2014). CBF cassa liminar que colocava Icasa na Série A e ameaça rebaixar o time UOL Esporte.
  30. Por renda, Athletico Paranaense "vende" mandos de campo contra Grêmio e Cruzeiro GloboEsporte.com. Visitado em 23 de abril de 2014.
  31. Briga em Joinville leva a perda de 12 mandos do Athletico Paranaense e oito do Vasco GloboEsporte.com.
  32. Figueirense perde mando de campo e duas partidas que seriam no Scarpelli serão longe de SC Meu Figueira.
  33. Goiás perde dois mandos de campo, mas só cumprirá pena em 2014. GloboEsporte.com.
  34. Fifa vai ocupar 68 estádios e CTs antes e durante a Copa GloboEsporte.com.
  35. Até a Copa, Brasileirão terá metade dos jogos em estádios alternativos GloboEsporte.com (21 de maio de 2014).
  36. Brasileirão Série A – Artilheiros GloboEsporte.com.
  37. Assistência Gol Footstats. Visitado em 2 de agosto de 2015.
  38. São Paulo supera Cruzeiro em casa e diminui diferença na briga pelo título GloboEsporte.com (14 de setembro de 2014). Visitado em 14 de setembro de 2014.
  39. Cruzeiro vence o vice-líder Inter e amplia a folga no topo para 9 pontos GloboEsporte.com (4 de outubro de 2014). Visitado em 5 de outubro de 2014.
  40. Felipão mexe bem, Grêmio é superior e vence Fla por 1 a 0 nos acréscimos GloboEsporte.com (6 de setembro de 2014). Visitado em 6 de setembro de 2014.
  41. Carlos brilha, e Galo quebra domínio do líder absoluto Cruzeiro no Mineirão GloboEsporte.com (21 de setembro de 2014). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  42. Criciúma arranca empate no Morumbi, e São Paulo sai vaiado GloboEsporte.com (2 de agosto de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  43. Cruzeiro vira sobre o Flu com golaço, bate recorde e faz a festa ser completa GloboEsporte.com (7 de dezembro de 2014). Visitado em 7 de dezembro de 2014.
  44. Boletim Financeiro: Fluminense 1x2 Vitória CBF.com.br (3 de maio de 2014). Visitado em 8 de maio de 2014.
  45. Ceni quebra invencibilidade de Grohe, e São Paulo derruba Grêmio GloboEsporte.com (4 de outubro de 2014). Visitado em 5 de outubro de 2014.
  46. Grêmio devolve massacre de 4 a 1, encerra jejum e rouba G-4 do Inter GloboEsporte.com (9 de novembro de 2014). Visitado em 9 de novembro de 2014.
  47. Furacão e Chape esperam 15 minutos por ambulância e empatam em 1 a 1 GloboEsporte.com (18 de maio de 2014). Visitado em 18 de maio de 2014.
  48. Bahia aproveita campo neutro e bate o Figueira diante de 777 pagantes GloboEsporte.com (27 de abril de 2014). Visitado em 27 de abril de 2014.
  49. Em tarde infeliz de zagueiro, Furacão vence e mantém o rival Coritiba no Z-4 GloboEsporte.com (25 de maio de 2014). Visitado em 25 de maio de 2014.
  50. Botafogo derrota o Coritiba com gol de Bolatti e abre distância para o Z-4 GloboEsporte.com (19 de julho de 2014). Visitado em 19 de julho de 2014.
  51. Flu segura pressão, vence o Bahia e dorme na liderança do Brasileiro GloboEsporte.com (24 de maio de 2014). Visitado em 24 de maio de 2014.
  52. Goiás mostra eficiência, vence por 3 a 0 e mantém o Coritiba no Z-4 GloboEsporte.com (11 de outubro de 2014). Visitado em 11 de outubro de 2014.
  53. Com dois de Erik, Goiás bate Chape e ameniza imagem ruim na reta final GloboEsporte.com (7 de dezembro de 2014). Visitado em 7 de dezembro de 2014.
  54. Com três gols de Erik, Goiás bate o Athletico Paranaense e encerra jejum de vitórias GloboEsporte.com (31 de agosto de 2014). Visitado em 31 de agosto de 2014.
  55. Muita água, pouco futebol: em campo encharcado, Chape e Goiás ficam no 0 a 0 GloboEsporte.com (6 de setembro de 2014). Visitado em 6 de setembro de 2014.
  56. Em jogo de poucos arremates, Goiás acha o gol e a vitória sobre o Criciúma GloboEsporte.com (27 de abril de 2014). Visitado em 27 de abril de 2014.
  57. O público do Brasileirão-2014 GloboEsporte.com. Visitado em 23 de novembro de 2014.
  58. Renda, público pagante e ticket médio – Brasileiro 2014 – em parceria com Footstats futdados.com. Visitado em 21 de agosto de 2014.

Ligações externas


Precedido por
Série A 2013
25 de maio8 de dezembro
Série A 2014
19 de abril7 de dezembro
Sucedido por
Série A 2015
9 de maio6 de dezembro