Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Campeonato Brasileiro de 2013 - Série A
Brasileirão Série A 2013
Brasileirão+Petrobras+Logo.png
Atual logotipo da competição, com patrocínio da Petrobras.[1]
Dados
Participantes 20
Organização CBF
Local de disputa Brasil
Período 25 de maio8 de dezembro
Gol(o)s 936
Partidas 380
Média 2,46 gol(o)s por partida
Campeão Cruzeiro (3º título)
Vice-campeão Grêmio
Rebaixado(s) Portuguesa
Vasco
Ponte Preta
Náutico
Melhor marcador Éderson (Athletico Paranaense) – 21 gols
Melhor ataque Cruzeiro – 77 gols
Melhor defesa Corinthians – 22 gols
Maiores goleadas
(diferença)
Cruzeiro 5–0 Goiás
Estádio Independência, Belo Horizonte
26 de maio, 1ª rodada
 
Atlético Mineiro 5–0 Náutico
Estádio Independência, Belo Horizonte
2 de novembro, 32ª rodada
 
Athletico Paranaense 6–1 Náutico
Arena Joinville, Joinville
24 de novembro, 36ª rodada
Público 5681551
Média 14951.5 pessoas por partida
Premiações
Melhor jogador
(CBF)
Éverton Ribeiro (Cruzeiro)
Melhor treinador Marcelo Oliveira (Cruzeiro)
Melhor árbitro Paulo César de Oliveira (SP)
◄◄ Brasileiro 2012 Soccerball.png Brasileiro 2014 ►►

A Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013 foi a 57ª edição da principal divisão do futebol brasileiro. A disputa ocorreu entre 26 de maio e 8 de dezembro com o mesmo regulamento dos anos anteriores, quando foi implementado o sistema de pontos corridos.

Os jogos tiveram uma pausa durante a Copa das Confederações de 2013, que foi realizada em junho no Brasil. A competição teve cinco rodadas disputadas antes da paralisação.[2]

Diferente das edições anteriores, os clássicos regionais não foram realizados nas últimas rodadas do campeonato.[3]

O campeão brasileiro foi definido na 34ª rodada, quando o Cruzeiro foi oficialmente declarado campeão ao derrotar o Vitória por 3–1, em Salvador, aliado a derrota do Athletico Paranaense contra o Criciúma por 2–1.[4] Foi o terceiro título do clube mineiro na história e o segundo de um clube de fora do eixo Rio de Janeiro-São Paulo desde 2003, quando foi implantado o sistema de pontos corridos e o próprio Cruzeiro obteve o título nacional.[5]

Além do campeão Cruzeiro e dos previamente classificados Atlético Mineiro e Flamengo – campeão defensor da Copa Libertadores e campeão da Copa do Brasil, respectivamente – Grêmio e Atlético Parananense classificaram-se a Copa Libertadores da América de 2014 via Campeonato Brasileiro. O Botafogo, quarto colocado, também garantiu uma vaga para a competição continental, dependendo do resultado final da Copa Sul-Americana envolvendo a Ponte Preta para confirmar a classificação.[6] O clube brasileiro foi derrotado para o Lanús, na final do torneio sul-americano.[7]

A definição dos rebaixados começou com seis rodadas de antecedência. O Náutico foi o primeiro clube rebaixado para a Série B de 2014 após ser goleado pelo Atlético Mineiro por 5–0, no Estádio Independência.[8] Mesmo antes de entrar em campo na 37ª rodada, a Ponte Preta foi rebaixada por conta do empate entre Fluminense e Atlético Mineiro por 2–2, no Rio de Janeiro.[9]

Na última rodada, dois clubes completaram a lista de descendidos: o Fluminense, mesmo ao vencer de virada por 2–1 o Bahia, na Arena Fonte Nova,[10] prejudicado pela vitória do Coritiba em Itu, contra o São Paulo,[11] que seria o primeiro clube campeão brasileiro do ano anterior e rebaixado no ano seguinte; e o Vasco, com a goleada sofrida por 5–1 para o Athletico Paranaense, em Joinville.[12]

Posteriormente, Portuguesa e Flamengo[13] foram punidos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva com a perda de quatro pontos por uso de jogador irregular na última rodada. Essa decisão acabou por rebaixar a Portuguesa para a Série B e salvar Flamengo, que escalou irregularmente o jogador André Santos um dia antes, e o Fluminense, que havia terminado o campeonato na 17ª colocação, e que acabou se beneficiando das irregularidades dos dois clubes, da queda.[14] O Flamengo recorreu em última instância a Corte Arbitral do Esporte (CAS), que manteve a decisão do Superior Tribunal de Justiça.[15]

A temporada também foi marcada por diversos protestos do movimento Bom Senso F.C. que cobra melhores condições no futebol brasileiro.[16]

Regulamento

A Série A foi disputada por 20 clubes em dois turnos. Em cada turno, todos os times jogaram entre si uma única vez. Os jogos do segundo turno foram realizados na mesma ordem do primeiro, apenas com o mando de campo invertido. Não houve campeões por turnos, sendo declarado campeão brasileiro o time que obteve o maior número de pontos após as 38 rodadas.[17]

Critérios de desempate

Em caso de empate por pontos entre dois ou mais clubes, os critérios de desempate foram aplicados na seguinte ordem:[17]

  1. Número de vitórias
  2. Saldo de gols
  3. Gols marcados
  4. Confronto direto
  5. Número de cartões vermelhos
  6. Número de cartões amarelos
  7. Sorteio

Ao final do campeonato, em caso de empate nos quatro primeiros critérios acima, realizar-se-ia uma partida de desempate em campo neutro para a determinação do campeão ou definição de descenso. Essa partida seria realizada em até sete dias após o encerramento do campeonato e, em caso de empate, decidida através de uma disputa por pênaltis.[17]

Participantes

Estado Equipe Em 2012 Estádio Capacidade Títulos
Bahia Bahia
(2 vagas)
Bahia 15º Arena Fonte Nova 50 025,00 2 (1959), (1988)
Vitória 4º (Série B) Estádio Barradão 35 000,00 0 (não possui)
Goiás Goiás
(1 vaga)
Goiás 1° (Série B) Estádio Serra Dourada 42,00 0 (não possui)
Minas Gerais Minas Gerais
(2 vagas)
Atlético Mineiro Estádio Independência 23 018,00 1 (1971)
Cruzeiro Estádio Mineirão 61 846,00 3 (1966, 2003)
Paraná Paraná
(2 vagas)
Athletico Paranaense 3º (Série B) Arena da Baixada 42 370,00 1 (2001)
Coritiba 13º Estádio Couto Pereira 40 502,00 1 (1985)
Pernambuco Pernambuco
(1 vaga)
Náutico 12º Arena Pernambuco 32 983,00 0 (não possui)
Rio de Janeiro Rio de Janeiro
(3 vagas)
Botafogo Estádio do Maracanã 18 230,00 2 (1968, 1995)
Flamengo 11º Estádio do Maracanã 18 230,00 5 (1980, 1982, 1983, 1992, 2009)
Fluminense Estádio do Maracanã 13 544,00 4 (1970, 1984, 2010, 2012)
Vasco Estádio São Januário 24 311,00 4 (1974, 1989, 1997, 2000)
Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
(2 vagas)
Grêmio Arena do Grêmio 55 662,00 2 (1981, 1996)
Internacional 10º Estádio Beira-Rio 50 128,00 3 (1975, 1976, 1979)
Santa Catarina Santa Catarina
(1 vaga)
Criciúma 2º (Série B) Estádio Heriberto Hülse 19 300,00 0 (não possui)
São Paulo São Paulo
(5 vagas)
Corinthians Arena Corinthians 47 605,00 5 (1990, 1998, 1999, 2005, 2011)
Ponte Preta 14º Estádio Moisés Lucarelli 17 728,00 0 (não possui)
Portuguesa 16º Estádio Canindé 21 004,00 0 (não possui)
Santos Estádio Vila Belmiro 16 068,00 8 (1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1968, 2002, 2004)
São Paulo Estádio Morumbi 72 039,00 6 (1977, 1986, 1991, 2006, 2007, 2008)

Estádios

Atlético Mineiro Athletico Paranaense Bahia Botafogo Corinthians Coritiba
Independência Vila Capanema Arena Fonte Nova Maracanã Pacaembu Couto Pereira
Capacidade: 23 018,00 Capacidade: 17 000,00 Capacidade: 50 025,00 Capacidade: 78 838,00 Capacidade: 37 730,00 Capacidade: 37 182,00
Estádio Independência.jpg Estádio Durival Britto e Silva.jpg Arena Fonte Nova.jpg Estádio Maracanã.jpg Estádio Pacaembu.jpeg Estádio Couto Pereira.jpg
Criciúma
Cruzeiro
Heriberto Hülse Mineirão
Capacidade: 19 900,00 Capacidade: 61 846,00
Estádio Heriberto Hülse.jpg Estádio Mineirão.jpg
Flamengo Fluminense
Maracanã Maracanã
Capacidade: 78 838,00 Capacidade: 78 838,00
Estádio Maracanã.jpg Estádio Maracanã.jpg
Goiás Grêmio
Serra Dourada Arena do Grêmio
Capacidade: 42 000,00 Capacidade: 56 500,00
Estádio Serra Dourada.jpg Arena externa.jpg
Internacional Náutico
Estádio Centenário Arena Pernambuco
Capacidade: 22 132,00 Capacidade: 43 000,00
Estádio Centenário de Caxias do Sul.jpg Arena pernambuco.jpg
Ponte Preta Portuguesa Santos São Paulo Vasco Vitória
Moisés Lucarelli Canindé Vila Belmiro Morumbi São Januário Barradão
Capacidade: 17 728,00 Capacidade: 21 004,00 Capacidade: 16 068,00 Capacidade: 66 795,00 Capacidade: 24 311,00 Capacidade: 35 000,00
Estádio Moisés Lucarelli.jpg Estádio Canindé.jpg Estádio Vila Belmiro.jpg Estádio Morumbi.jpg Estádio São Januário.jpg Estádio Barradão.jpg

Classificação

v  e

Pos Times Pts J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Minas Gerais Cruzeiro 76 38 23 7 8 77 37 +40 67 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 2014
2 Rio Grande do Sul Grêmio 65 38 18 11 9 42 35 +7 57 Estável
3 Paraná Athletico Paranaense 64 38 18 10 10 65 49 +16 56 Estável Primeira fase da Copa Libertadores de 2014
4 Rio de Janeiro Botafogo 61 38 17 10 11 55 41 +14 53 Aumento1
5 Bahia Vitória 59 38 16 11 11 59 53 +6 52 Aumento1
6 Goiás Goiás 59 38 16 11 11 48 44 +4 52 Baixa2
7 São Paulo Santos 57 38 15 12 11 51 38 +13 50 Aumento1
8 Minas Gerais Atlético Mineiro 57 38 15 12 11 49 38 +11 50 Baixa1 Segunda fase da Copa Libertadores de 20141
9 São Paulo São Paulo 50 38 14 8 16 39 40 –1 44 Estável
10 São Paulo Corinthians 50 38 11 17 10 27 22 +5 44 Estável
11 Paraná Coritiba 48 38 12 12 14 42 45 –3 42 Aumento3
12 Bahia Bahia 48 38 12 12 14 37 45 –8 42 Baixa2
13 Rio Grande do Sul Internacional 48 38 11 15 12 51 52 –1 42 Baixa1
14 Santa Catarina Criciúma 46 38 13 7 18 49 63 –14 40 Baixa1
15 Rio de Janeiro Fluminense 46 38 12 10 16 43 47 –4 40 Aumento1
16 Rio de Janeiro Flamengo 452 38 12 13 13 43 46 –3 43 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 20141
17 São Paulo Portuguesa 443 38 12 12 14 50 46 +4 42 Aumento1 Rebaixados à Série B de 2014
18 Rio de Janeiro Vasco 44 38 11 11 16 50 61 –11 38 Baixa1
19 São Paulo Ponte Preta 37 38 9 10 19 37 55 –18 32 Estável
20 Pernambuco Náutico 20 38 5 5 28 22 79 –57 17 Estável

1Atlético Mineiro e Flamengo têm vaga garantida na Copa Libertadores de 2014 por serem campeões, respectivamente, da Copa Libertadores de 2013 e da Copa do Brasil de 2013.
2O Flamengo foi punido pelo STJD com a perda de 4 pontos por escalação de jogador irregular.
3A Portuguesa foi punida pelo STJD com a perda de 4 pontos por escalação de jogador irregular.

Mudanças na classificação final

Ao término do campeonato, a Portuguesa foi denunciada pela Procuradoria Geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva por ter escalado o jogador Héverton Durães Coutinho Alves contra o Grêmio, na última rodada. O atleta foi punido com dois jogos de suspensão por ter sido expulso na partida contra o Bahia, a 24 de novembro, mas cumpriu apenas uma partida e não poderia atuar na rodada final.[18] Como consequência o clube foi punido em primeira instância pelo STJD com a perda de 4 pontos, caindo da 12ª para a 17ª colocação na tabela de classificação e rebaixado para a Série B no lugar do Flamengo, que um dia antes havia cometido o mesmo erro e o cumprimento do regulamento previa a perda de pontos, além do Fluminense, beneficiário indireto do erro dos dois clubes, que cairia não fosse isso.[19] O Flamengo foi punido pela escalação irregular do jogador André Santos, consequentemente também perdeu 4 pontos e caiu da 11ª para a 16ª posição, uma acima da zona de rebaixamento.[13]

Tanto Portuguesa quanto Flamengo recorreram da punição no pleno do STJD, mas com unanimidade dos oito auditores, foi mantido o resultado da primeira instância.[20][21] Após o resultado negativo na instância desportiva, a Portuguesa recorreu a Justiça Comum onde obteve uma vitória em 2 de abril de 2014 que obrigava a CBF a devolver os pontos perdidos pela equipe, anulando o resultado do STJD,[22] mas a CBF conseguiu cassar a liminar no Tribunal de Justiça de São Paulo.[23]

Confrontos

  ATM ATP BAH BOT COR CTB CRI CRU FLA FLU GOI GRE INT NAU PON POR SAN SPA VAS VIT
Atlético-MG 1–2 2–0 2–2 0–0 3–0 3–2 1–0 1–0 2–2 4–1 2–0 2–1 5–0 4–0 2–1 3–1 0–0 2–1 2–2
Athletico Paranaense 1–0 1–0 2–0 1–1 2–1 2–1 2–2 2–2 1–1 2–0 1–1 1–0 6–1 1–0 1–0 2–1 3–0 5–1 3–5
Bahia 0–0 1–1 2–1 0–2 0–0 2–2 1–3 3–0 1–2 2–1 0–3 2–0 2–0 1–1 1–0 0–0 0–1 0–0 2–0
Botafogo 1–0 4–0 1–2 1–0 3–1 3–0 2–1 2–1 1–0 1–1 0–1 3–3 2–0 0–1 0–0 2–1 0–0 2–2 2–0
Corinthians 0–1 0–0 2–0 1–1 1–0 1–0 0–0 4–0 1–0 1–2 2–0 0–0 0–0 1–0 0–0 1–1 0–0 0–0 2–0
Coritiba 2–1 1–0 2–2 2–1 0–1 1–2 2–1 0–2 2–1 2–2 4–0 0–0 1–0 5–3 1–1 1–0 2–0 0–1 1–1
Criciúma 1–1 2–1 3–1 1–2 0–2 2–1 1–2 0–3 1–2 0–0 2–1 0–1 3–0 1–1 1–3 3–1 1–0 3–2 1–1
Cruzeiro 4–1 1–0 1–2 3–0 1–0 1–0 5–3 1–0 1–0 5–0 3–0 2–2 3–0 2–2 4–0 0–0 0–2 5–3 5–1
Flamengo 3–0 2–4 2–1 1–1 1–0 2–2 4–1 1–1 1–0 1–1 0–1 2–1 0–1 0–2 1–1 2–1 0–0 1–1 2–1
Fluminense 2–2 2–1 1–0 1–1 0–0 1–1 3–0 1–0 2–3 2–1 1–1 2–3 2–0 1–1 2–1 0–2 2–1 1–3 2–3
Goiás 0–0 3–0 3–1 1–0 1–1 1–1 1–1 1–2 1–1 1–2 2–0 3–1 2–1 2–0 2–1 0–3 1–0 1–1 1–0
Grêmio 0–1 1–0 0–0 2–1 1–0 0–1 1–2 3–1 2–1 2–0 1–0 1–1 2–0 1–0 3–2 1–1 1–1 1–0 1–0
Internacional 0–0 2–2 1–2 2–1 1–0 0–0 2–0 1–2 1–0 1–0 3–3 2–2 4–1 0–0 0–1 1–2 2–3 5–3 2–2
Náutico 0–0 1–4 0–1 1–3 1–0 3–0 0–1 1–4 0–0 0–1 0–2 0–2 3–0 1–3 2–2 1–5 0–1 0–3 0–3
Ponte Preta 2–0 3–4 0–0 0–2 2–0 1–0 3–1 0–2 1–1 1–1 0–1 1–1 1–3 1–2 0–2 1–0 0–2 2–1 0–3
Portuguesa 2–0 2–3 4–2 1–3 4–0 0–0 1–1 1–1 0–0 2–1 1–2 0–0 1–1 3–0 2–1 3–0 2–1 2–0 1–1
Santos 1–0 2–1 3–0 1–2 1–1 2–2 2–1 0–1 0–0 1–0 1–0 1–1 0–0 1–1 2–1 4–1 3–0 1–1 2–0
São Paulo 1–0 1–1 1–2 1–1 0–0 0–1 1–2 0–3 2–0 2–1 0–1 0–1 0–1 3–0 1–0 2–1 0–2 5–1 3–2
Vasco da Gama 2–0 0–0 1–1 2–3 1–1 2–1 3–2 2–1 0–1 1–0 0–2 2–3 3–1 2–0 1–1 1–0 2–2 0–2 1–2
Vitória 1–1 3–2 0–0 1–0 1–1 2–1 0–1 1–3 4–2 1–1 2–1 0–0 2–2 2–1 3–1 2–1 2–0 3–2 2–0

Desempenho por rodada

Clubes que lideraram o campeonato ao final de cada rodada:

Rodadas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38
CRU SPA CTB BOT CTB BOT CRU BOT CRU BOT CRU

Clubes que ficaram na última posição do campeonato ao final de cada rodada:

Rodadas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38
GOI NAU ATM PON NAU POR NAU

Estatísticas

Maiores públicos

Estes são os dez maiores públicos do Campeonato:[26]

Público[PP] Mandante Placar Visitante Estádio Data Rodada
1 63 501,00 Santos São Paulo 0–0 Rio de Janeiro Flamengo Mané Garrincha 26 de maio
2 61 767,00 Vasco Rio de Janeiro 0–1 Rio de Janeiro Flamengo Mané Garrincha 14 de julho
3 56 864,00 Cruzeiro Minas Gerais 3–0 Rio Grande do Sul Grêmio Mineirão 10 de novembro 33ª
4 55 256,00 São Paulo São Paulo 2–1 Rio de Janeiro Fluminense Morumbi 25 de agosto 16ª
5 52 825,00 Flamengo Rio de Janeiro 2–2 Paraná Coritiba Mané Garrincha 6 de julho
6 50 802,00 São Paulo São Paulo 2–1 São Paulo Portuguesa Morumbi 2 de novembro 32ª
7 50 421,00 Vasco Rio de Janeiro 2–2 São Paulo Santos Maracanã 10 de novembro 33ª
8 50 282,00 São Paulo São Paulo 0–0 São Paulo Corinthians Morumbi 13 de outubro 28ª
9 48 077,00 Vasco Rio de Janeiro 2–0 Pernambuco Náutico Maracanã 1 de dezembro 37ª
10 47 799,00 Cruzeiro Minas Gerais 1–2 Bahia Bahia Mineirão 1 de dezembro 37ª
  • PP. ^Considera-se apenas o público pagante

Menores públicos

Estes são os dez menores públicos do Campeonato:[27]

Público[PP] Mandante Placar Visitante Estádio Data Rodada
1 1 182,00 Portuguesa São Paulo 2–1 Rio de Janeiro Fluminense Canindé 12 de junho
2 1 186,00 Botafogo Rio de Janeiro 2–1 São Paulo Santos Raulino de Oliveira 29 de maio
3 1 244,00 Portuguesa São Paulo 1–1 Santa Catarina Criciúma Canindé 31 de julho 10ª
4 1 419,00 Portuguesa São Paulo 2–1 São Paulo Ponte Preta Canindé 4 de setembro 18ª
5 1 458,00 Portuguesa São Paulo 2–3 Paraná Athletico Paranaense Canindé 27 de julho
6 1 515,00 Fluminense Rio de Janeiro 3–0 Santa Catarina Criciúma Moacyrzão 2 de junho
7 1 601,00 Vasco Rio de Janeiro 2–0 Minas Gerais Atlético Mineiro Raulino de Oliveira 5 de junho
8 1 700,00 Fluminense Rio de Janeiro 2–1 Goiás Goiás Moacyrzão 9 de junho
9 1 808,00 Portuguesa São Paulo 3–0 Pernambuco Náutico Canindé 19 de setembro 22ª
10 1 815,00 Internacional Rio Grande do Sul 3–3 Goiás Goiás Estádio do Vale 25 de agosto 16ª
  • PP. ^Considera-se apenas o público pagante

Médias de público

Estas são as médias de público dos clubes no Campeonato. Considera-se apenas os jogos da equipe como mandante e o público pagante:[28]

  1. Minas Gerais Cruzeiro – 28 911,00
  2. São Paulo Corinthians – 24 441,00
  3. Rio de Janeiro Flamengo – 23 385,00
  4. São Paulo São Paulo – 23 115,00
  5. Rio Grande do Sul Grêmio – 19 764,00
  6. Bahia Bahia – 18 449,00
  7. Rio de Janeiro Fluminense – 17 637,00
  8. Rio de Janeiro Vasco – 17 618,00
  9. Bahia Vitória – 14 780,00
  10. Paraná Coritiba – 14 651,00
  1. Rio de Janeiro Botafogo – 12 685,00
  2. Goiás Goiás – 12 680,00
  3. Santa Catarina Criciúma – 11 548,00
  4. Minas Gerais Atlético Mineiro – 11 436,00
  5. São Paulo Santos – 10 405,00
  6. Pernambuco Náutico – 10 262,00
  7. Paraná Athletico Paranaense – 8 772,00
  8. Rio Grande do Sul Internacional – 7 234,00
  9. São Paulo Ponte Preta – 6 414,00
  10. São Paulo Portuguesa – 4 842,00

Premiação

Campeonato Brasileiro 2013
Série A
Minas Gerais
Escudo Cruzeiro.png
Campeão
(3º título)


Referências

  1. De Prima (22 de maio de 2012). Petrobrás pagará R$ 18 milhões ao ano até 2013 por Brasileirão Lance! Lance! Net.
  2. CBF divulga calendário de 2013 com folga na Copa das Confederações GloboEsporte.com (28 de agosto de 2012).
  3. Reunião na CBF cancela rodadas de clássico estadual no fim do Brasileirão GloboEsporte.com (25 de fevereiro de 2013).
  4. Aplaudido por torcida rival, Cruzeiro faz 3 a 1 no Vitória e completa festa do título UOL (13 de novembro de 2013).
  5. Cruzeiro acaba com a hegemonia do eixo Rio-São Paulo, mas paulistas lideram conquistas Folha Online (13 de novembro de 2013).
  6. Botafogo vence Criciúma, aproveita tropeço do Goiás e termina BR no G4 UOL Esporte (8 de dezembro de 2013).
  7. Ponte é vice da Sul-Americana, e Botafogo se garante na Libertadores Globo Esporte (11 de dezembro de 2013).
  8. Com fim do jejum de Diego Tardelli, Atlético-MG goleia e rebaixa o Náutico GloboEsporte.com (2 de novembro de 2013).
  9. Empate do Fluminense rebaixa a Ponte Preta para a Série B GloboEsporte.com (30 de novembro de 2013).
  10. Não tem jeito: Fluminense vence o Bahia em Salvador, mas é rebaixado GloboEsporte.com (8 de dezembro de 2013).
  11. Coxa faz sua parte, bate o São Paulo e garante a permanência na Série A GloboEsporte.com (8 de dezembro de 2013).
  12. Furacão vai à Libertadores e rebaixa o Vasco em jogo com briga de torcidas GloboEsporte.com (8 de dezembro de 2013).
  13. 13,0 13,1 Flamengo perde quatro pontos no STJD, mas segue na Série A GloboEsporte.com (16 de dezembro de 2013).
  14. Portuguesa é rebaixada, e Flu se livra da Série B pela terceira vez GloboEsporte.com (16 de dezembro de 2013).
  15. CAS mantém pena ao Flamengo no Caso André Santos, de 2013 Lancenet.com (5 de outubro de 2015).
  16. A Ascensão do Bom Senso Futebol Clube e o Calendário do Futebol Brasileiro GGN (8 de dezembro de 2013).
  17. 17,0 17,1 17,2 Confederação Brasileira de Futebol. Regulamento específico do Campeonato Brasileiro da Série A de 2013 CBF.com.br.
  18. Procuradoria do STJD denuncia Portuguesa e Flamengo oficialmente; julgamentos serão na segunda-feira ESPN (11 de dezembro de 2013).
  19. Portuguesa é punida e rebaixada, e Flu fica na Série A, mas cabe recurso GloboEsporte.com (16 de dezembro de 2013).
  20. Em sessão com 'Pequeno príncipe' e Mandela, Lusa cai e Flu se salva GloboEsporte.com (27 de dezembro de 2013).
  21. Sem mudanças: Pleno do STJD mantém punição ao Flamengo GloboEsporte.com (27 de dezembro de 2013).
  22. Portuguesa consegue liminar que a recoloca na Primeira Divisão Lance!Net (2 de abril de 2014).
  23. CBF consegue duas vitórias e devolve Portuguesa à Série B ESPN (10 de abril de 2014).
  24. Brasileirão Série A – Artilharia GloboEsporte.com.
  25. Assistência Gol Footstats.
  26. Campeonato Brasileiro Série A – Tabela CBF.
  27. O PÚBLICO DO BRASILEIRÃO-2013 GloboEsporte.com.
  28. Médias de público atualizadas a cada rodada GloboEsporte.com.

Ligações externas


Precedido por
Série A 2012
19 de maio2 de dezembro
Série A 2013
25 de maio8 de dezembro
Sucedido por
Série A 2014
19 de abril7 de dezembro