Mário Sérgio Pontes de Paiva

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Mário Sérgio
Mário Sérgio
Informações pessoais
Nome completo Mário Sérgio Pontes de Paiva
Data de nasc. 07 de setembro de 1950
Local de nasc. Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasil
Falecido em 29 de novembro de 2016 (66 anos)
Local da morte La Unión, ANT, Colômbia
Canhoto
Apelido Vesgo, Rei do Gatilho
Informações profissionais
Período em atividade Como Jogador: 1969–1987 (18 anos)
Como Treinador: 1987–2010 (23 anos)
Número 10
Posição Treinador (ex-Meia)
Números no Grêmio como Jogador
Jogos Gols Média
11 2 0.18
  • A estatística pode estar incompleta.
Clubes profissionais
Anos Clubes
1969–1971
1971–1975
1975–1976
1976–1979
1979
1979–1981
1981–1982
1982–1983
1983
1984
1984–1985
1986
1986
1987
Brasil Flamengo
Brasil Vitória
Brasil Fluminense
Brasil Botafogo
Argentina Rosario Central
Brasil Internacional
Brasil São Paulo
Brasil Ponte Preta
Brasil Grêmio
Brasil Internacional
Brasil Palmeiras
Brasil Botafogo-SP
Suíça Bellinzona
Brasil Bahia
Seleção nacional
1981–1985 Brasil Brasil 08 0000(0)



Mário Sérgio Pontes de Paiva, também conhecido como Mário Sérgio (Rio de Janeiro-RJ, 7 de setembro de 1950 - Cerro Gordo, Colômbia, 28 de novembro de 2016), foi um comentarista, treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como meia. Iniciou sua carreira esportiva no futsal do Fluminense, fazendo parte das categorias de base do Flamengo.

Mário Sérgio foi Campeão do Mundo, Campeão Brasileiro e multicampeão estadual. Foi ídolo do Vitória, sendo um dos poucos jogadores na história considerado ídolo de Grêmio e Internacional. Faleceu em 28 de novembro de 2016 em um trágico acidente de avião que comoveu o país, onde muitos da delegação da Chapecoense, jornalistas e demais tripulantes acabaram falecendo.

Vida pessoal

Mário Sérgio iniciou sua carreira esportiva no futsal, mas abandonou a carreira para trabalhar em uma empresa de computação. Concluiu o curso científico e pretendia ingressar na graduação em processamento de dados quando passou em um teste no Flamengo, sendo contratado pelo clube carioca.

Era conhecido pelo temperamento forte e técnica apurada. Foi criticado por alguns pelo individualismo, associado ao início no futsal, ao mesmo tempo em que era elogiado pelas atuações de alta qualidade e jogadas magistrais, tanto que lhe foi atribuído o apelido de Vesgo, por olhar para um lado e tocar a bola para outro.

Teve grande identificação com a torcida do Grêmio, onde foi campeão mundial, entre outros títulos; e do Internacional, onde foi campeão brasileiro invicto, entre outros títulos. No Grenal das Faixas, vestido com a camisa do Internacional e com a faixa de Campeão do Mundo pelo Grêmio, foi ovacionado por ambas as equipes.

Em 28 de novembro de 2016, quando cobria a Chapecoense como comentarista da final da Copa Sul-Americana, acabou sendo vítima da tragédia do Voo 2933 da LaMia, sendo um dos 71 mortos no acidente. Foi lembrado com carinho pelo técnico campeão do mundo, Valdir Espinosa[1], em entrevista para a Rádio Gaúcha logo após o acidente, quando relembrou os velhos tempos de jogador, época em que foram companheiros no Vitória, além de exaltar a técnica e a pessoa que foi o ex-jogador.

O jogador

Começo de carreira

Mário Sérgio iniciou sua carreira no futsal do Fluminense, esporte que praticou por sete anos até abandonar as quadras para se dedicar a carreira de processador de dados. Em 1969 foi estimulado por amigos a realizar testes no Flamengo, onde fez os testes e foi aprovado para a equipe as categorias de base do clube rubro-negro. Apesar da técnica, Mário Sérgio era criticado pelo "vício de fominha", advindo do período em que atuou no futsal. Logo no seu segundo ano de Flamengo, foi campeão do Campeonato Carioca de Aspirantes, sendo promovido para o time profissional em 1970. Atuando pelo elenco principal, acabou não tendo espaço no time comandado pelo técnico Yustrich, com o qual não possuía boa relação, o que culminou na sua saída conturbada do Flamengo em 1971

Vitória

No Vitória, Mário Sérgio obteve grande destaque no ano de 1972, quando ao lado de André Catimba formou o que muitos consideram como a melhor dupla de ataque da história do clube baiano. Além de Catimba, que também faria história no Grêmio, Mário Sérgio jogou com outro grande nome da história do Tricolor, o técnico campeão do Mundo, Valdir Espinosa, com quem morou e teve grande amizade no período de jogador, afinidade que se manteve ao longo dos anos.

Enquanto atuou na equipe baiana, Mário Sérgio foi duas vezes ganhador do Bola de Prata, da revista Placar. Em 1973 conquistou a honraria jogando como ponta-esquerda, já em 1974, após ótima temporada atuando como armador, repetiu a conquista individual. Pelo Vitória, Mário Sérgio foi Campeão Baiano de 1972, marcando inclusive um dos gols da vitória de 3x1 sobre o Bahia.

Rio e Argentina

Após grande passagem pelo Vitória, Mário Sérgio foi vendido ao Fluminense, sendo um dos nomes da Máquina Tricolor, juntamente com Rivelino, Paulo César, Gil, Manfrini e Edinho, em equipe que se sagrou campeã do Campeonato Carioca de 1975 sobre o Botafogo. Apesar do título estadual, Mário Sérgio acabou deixando o Fluminense após desavenças com o então presidente do Tricolor Carioca, Francisco Horta. No ano seguinte, foi contratado pelo Botafogo, onde jogou de 1976 até 1979.

Jogando pelo Time da Estrela Solitária, Mário Sérgio acabou sofrendo com uma contusão no joelho, tendo ficado afastado dos gramados por quatro meses. Por um erro de avaliação, foi forçado a voltar aos gramados antes de um regular período de recuperação, o que acabou prejudicando de sobremaneira seus meniscos. Tais fatos geraram desavenças com dirigentes do Botafogo, o que culminou com sua transferência para o Rosário Central da Argentina, em 1979, clube onde teve curta passagem devido ao temperamento forte e o período afastado de sua esposa, que cursava de engenharia no Brasil.

Mário Sérgio - Grenal das Faixas.

Internacional

A pedido de Paulo Roberto Falcão, foi adquirido pelo Internacional, onde recuperou seu futebol e evoluiu de forma substancial. Foi peça importante da equipe colorada, participando da conquista do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1979, vencido pelo alvi-rubro de forma invicta. Em 1980 levou o clube colorado à final da Copa Libertadores da América, tendo sido o principal nome da equipe vermelha após saída de Falcão para a Itália e vencendo o Bola de Prata daquele ano. Permaneceu no Internacional até 1981, conquistando o Campeonato Gaúcho daquele ano.

Retorno ao Internacional

No ano de 1984, Mário Sérgio retorna ao Internacional. Contratado um dia antes do mítico Grenal das Faixas e recém campeão do Mundo pelo Imortal, participou do Grenal atuando pelo Internacional. Apesar do reforço do ídolo, o Interacional acabou derrotado pelo placar de 4x2, gols gremistas de Renato Portaluppi, Osvaldo, Caio e Paulo César Magalhães; e gols colorados de Bonamigo, contra, e Rubén Paz.

Na segunda passagem pelo Internacional, não conseguiu repetir o sucesso da primeira passagem, apesar de conquistar o bicampeonato gaúcho em 1984.

Clubes paulistas

Após sair do Internacional em 1981, Mário Sérgio se transferiu para o São Paulo, estreando pelo clube paulista em 16 de agosto. Mário Sérgio teve grandes atuações, sendo um dos principais nomes da vitória por 6x2 do São Paulo sobre o Palmeiras, em jogo válido pelo Campeonato Paulista de 81, em 4 de outubro. Aparentemente por falta de adaptação ao esquema tático do time paulista, comandado por José Poy, Mário Sérgio acabou deixando o Tricolor Paulista ao final de 1982. Na Ponte Preta, participou de um time montado com jogadores consagrados ou com considerável reputação no futebol nacional, mas não conseguia repetir as atuações que lhe rendiam um status de atleta diferenciado.

Grêmio

Por indicação do grande técnico gremista, Valdir Espinosa, o Grêmio acabou contratando Mário Sérgio exclusivamente para a disputa do Mundial de Clubes no ano de 1983, jogando apenas algumas partidas do Campeonato Gaúcho daquele ano. O jogador, que veio a contragosto de alguns dirigentes, foi bancado por Espinosa, que confiava na sua qualidade e importância para a conquista do maior título da história do Grêmio.

Por fim, os dirigentes gremistas cederam ao pedido de Valdir e contrataram o meia habilidoso, mas "bagunceiro", como os próprios o intitulavam. A decisão sem dúvidas se mostrou acertada, eis que Mário Sérgio acabou sendo um dos grandes nomes da partida contra o Hamburgo, juntamente com Renato Portaluppi, que viria a marcar os dois gols do jogo. O meia fez lançamentos precisos e usou sua habilidade para deixar os marcadores desorientados, sendo amplamente citado pela narração da Rádio Guaíba[2] como o Homem do Jogo, até a marcação dos gols por Renato. Apesar de fazer grande partida pelo Grêmio na final do Mundial, não teve seu contrato renovado, retornando no ano seguinte ao Internacional.

Palmeiras

Após sair do Internacional, Mário Sérgio foi transferido ao Palmeiras, clube que anos antes tinha sido sua vítima, na goleada por 6x2 no clássico contra o São Paulo. O Alvi-verde, que cobiçava o título do Campeonato Paulista de 1984, foi conduzido rumo à pretensão graças as ótimas atuações do meia, mas acabou flagrado em um exame anti-doping e foi punido com a suspensão de seis meses. Na oportunidade do doping, a partida em questão foi disputada contra o São Paulo, sendo que há relatos de espectadores e jornalistas de que o médico Marco Aurélio Cunha, do São Paulo, teria oferecido uma soda limonada ao jogador, levantando a suspeita de que ali teria havido a ingestão da substância proibida, sendo cocaína. O Palmeiras acabou perdendo os pontos, mas não recorreu da decisão, apesar dos rumores.

Fim da carreira de jogador

Após sair do Palmeiras em 1986, Mário Sérgio se transferiu para o Botafogo-SP e, posteriormente, para o Bellinzona, da Suíça. Em ambas as passagens não obteve sucesso. Depois de um período rápido na Europa, Mário Sérgio retorna ao Brasil para defender o Bahia, rival do time em que era ídolo, o Vitória. Pelo clube baiano disputa partidas sem regularidade, acabando por anunciar o fim da carreira no vestiário, no intervalo de jogo, após ótima atuação no primeiro tempo.

Seleção Brasileira

Convocado pela primeira vez em 1981, Mário Sérgio participou de jogos pela Seleção Brasileira nos anos de 1982 e 1985. No total, fez oito partidas pelo Brasil, mas não chegou a marcar gols. Foi considerado para participar da Copa do Mundo de 1982, mas acabou cortado da relação final de atletas por ser considerado indisciplinado, sendo substituído por Eder, do Atlético-MG.

Como treinador

Mário Sérgio iniciou sua carreira de treinador no Vitória, em 1987. Dirigindo também outros grandes clubes como o Corinthians, São Paulo, Atlético-MG, Athletico Paranaense, Botafogo e Internacional.

Como dirigente

Mário Sérgio foi diretor de futebol do Grêmio no ano de 2005.

Títulos

Como jogador

Flamengo
Vitória
  • Bahia Campeonato Baiano: 1972
Fluminense
  • Rio de Janeiro Campeonato Carioca: 1975 e 1976
  • Rio de Janeiro Taça Guanabara: 1975
  • Rio de Janeiro Taça Amadeu Rodrigues Sequeira: 1976
Botafogo-RJ
  • Rio de Janeiro Torneio Início: 1977
  • Rio de Janeiro Taça José Wander Rodrigues Mendes: 1976
Internacional
São Paulo
  • São Paulo Campeonato Paulista: 1981
Grêmio
Seleção Brasileira de Masters
  • Copa Pelé - Copa do Mundo de Masters: 1991

Premiações


Banco de dadosEstatística do jogador Mário Sérgio

GRÊMIO Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols pró Gols contra Saldo de gols Aproveitamento
Mandante
8
6
2
0
15
3
12
83.3%
Visitante
3
0
0
3
1
5
-4
0%
Total
11
6
2
3
16
8
8
60.6%

A estatística está em processo de contagem no Banco de Dados, e pode sofrer alterações. Quando estiver completa, esta mensagem será suprimida.

Banco de dadosJogos de Mário Sérgio pelo Grêmio

#DataMandantePlacarVisitanteLocalCompetiçãoGols MandanteGols VisitanteDetalhes
[1]12 de outubro de 1983Grêmio2 - 0Novo HamburgoEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoRobson, CésarFicha Técnica
[2]16 de outubro de 1983Brasil de Pelotas2 - 0GrêmioEstádio Bento FreitasCampeonato GaúchoAmauri, ZezinhoFicha Técnica
[3]19 de outubro de 1983Grêmio2 - 0EsportivoEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoOsvaldo, CaioFicha Técnica
[4]23 de outubro de 1983São Borja1 - 0GrêmioEstádio Vicente GoulartCampeonato GaúchoFernandoFicha Técnica
[5]30 de outubro de 1983Grêmio3 - 0São Paulo-RSEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoOsvaldo (2), CésarFicha Técnica
[6]02 de novembro de 1983Grêmio0 - 0InternacionalEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoFicha Técnica
[7]09 de novembro de 1983Grêmio2 - 0JuventudeEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoCaio, Mário SérgioFicha Técnica
[8]13 de novembro de 1983Grêmio3 - 1São BorjaEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoLuis Carlos Martins, Mário Sérgio, OsvaldoBetoFicha Técnica
[9]20 de novembro de 1983Grêmio1 - 1Brasil de PelotasEstádio OlímpicoCampeonato GaúchoDe LeónZezinhoFicha Técnica
[10]23 de novembro de 1983Novo Hamburgo2 - 1GrêmioEstádio Santa RosaCampeonato GaúchoLourival, RachedOsvaldoFicha Técnica
[11]11 de dezembro de 1983Grêmio2 - 1HamburgoEstádio Olímpico de TóquioMundial de ClubesRenato Portaluppi (2)SchröderFicha Técnica

Referências