Símbolos do Grêmio

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

No decorrer da história vários clubes de futebol iniciaram um processo de agregar símbolos a suas instituições. O Escudo geralmente aparece como primeiro símbolo de um clube, seguido da bandeira e hino, depois os mascotes, apelidos e afins. Até mesmo torcida e estádio acabam se tornando uma marca do clube e parte integrante de sua imagem. No Grêmio não é diferente, durante os anos o Imortal criou e modificou muito seus símbolos antes de ser o que são hoje. Abaixo alguns dos principais símbolos do Grêmio.

Escudo

Modelo de bolas de futebol do início do século XX, de onde foi retirada a inspiração para o escudo

O Grêmio, assim como vários outros clubes do Brasil e do Mundo, teve constantes e importantes mudanças em seu escudo no decorrer da história. Iniciado em 1903, o Grêmio teve como primeiro símbolo um emblema em azul e branco, logo depois substituiu esse por um escudo em formato de bola de futebol, que se manteve durante as décadas, sofrendo diversas alterações. Em alguns anos, como em 1922 e em 1953 o escudo do Grêmio contou com a cor amarela, em que pese não seja uma de suas cores oficiais.

Não se sabe exatamente quando o escudo do Grêmio passou do modelo inicial de 1903 para o modelo de 1920 por a falta de fontes impede a indicação de uma data precisa. Dentre os modelos abaixo expostos, dois são comemorativos, o de 1922 em comemoração aos 100 anos da Independência do Brasil, modelo não utilizado em competições, e o de 1953 em comemoração ao cinquentenário (jubileu) do Grêmio.

O escudo de 1920 é inspiração nas bolas de futebol da época, sendo o modelo inicial da evolução do escudo do clube. Nos anos 30 o escudo passou a ter contornos em azul ao invés do preto, que ocupava apenas a parte central do escudo. Nos anos 40 o escudo perdeu os polos brancos, que passaram a ser azul, ganhando novamente um contorno preto. Nos anos 50 a cor do escudo ficou mais clara e foi removida as duas esferas existentes nos polos do escudo, esferas que somente seriam retomadas nos anos 60 com fundo branco.

Dos anos 20 até o início dos anos 60 pouca coisa havia mudado no escudo do Grêmio. A grande mudança veio no ano de 1963, quando a palavra GRÊMIO passou a ter destaque no escudo, ocupando a parte central do símbolo, ainda, a partir desta data as esferas dos polos passaram a ter fundo azul. O contorno, assim como nos anos anteriores, foi em preto. Essa foi sem dúvidas a mudança mais marcante no escudo, elaborado por comissão formada por Henrique Felippe Bonnet Licht, médico do clube, entre outros.

O logo não sofreu mudanças significativas nos anos 70, todavia, na década de 80 uma nova grande transformação, o logo passava a ter duas linhas de contorno uma maior em branco e uma fina em preto, no extremo do símbolo. Os escudos da década de 90 não sofreram grande modificação, uma vez que o clube acabou por encontrar um padrão ao escudo que atualmente é utilizado. Eventualmente foram feitas pequenas e até imperceptíveis modificações no escudo que se mantém ate hoje.

Abaixo os escudos com anos aproximados de sua utilização:

ESCUDOS DO GRÊMIO DESDE 1903
1903 1920 1922 1930 1940 1950 1953
Escudo Gremio 1903.png Escudo Gremio 1920.png Escudo Gremio 1922.png Escudo Gremio 1930.png Escudo Gremio 1940.png Escudo Gremio 1950.png Escudo Gremio 1953.png
1960 1963 1970 1980 1990 2000 e Atual
Escudo Gremio 1960.png Escudo Gremio 1963.png Escudo Gremio 1970.png Escudo Gremio 1980.png Escudo Gremio 1990.png Escudo Gremio 2000.png

Estrelas

Estrelas do Grêmio: bronze para títulos nacionais, prata para continentais e dourada para mundiais

Com a conquista dos grandes títulos dos Anos 80, o Grêmio decidiu destacar suas glórias, com isso criou um adorno em seu escudo. O Grêmio adicionou três estrelas, uma de bronze em referência ao Campeonato Brasileiro de 1981, outra prateada pela Libertadores de 1983 e uma terceira em dourado pelo Mundial de 1983.

As estrelas começaram a fazer parte inclusive da camisa do clube, prática que se mantém até hoje. Em que pese ainda seja utilizada, as estrelas atualmente possuem outro significado. Com as conquistas obtidas após a década de 80, o Grêmio destaca a estrela de bronze como as conquistas nacionais, Campeonatos Brasileiros, Copa do Brasil, Supercopa do Brasil; a estrela de prata se refere as conquistas continentais, Copas Libertadores e Recopa e a dourada pelo Mundial.

Bandeira

Assim como outros clubes e instituições, o Grêmio possui uma bandeira, hasteada a muitos anos em frente à seu estádio e presente massivamente na torcida em dias de jogos. A bandeira do Grêmio, assim como o escudo e a camisa, sofreram muitas alterações durante os anos antes de se tornar o que é hoje.

Bandeiras do Grêmio na antiga GrêmioMania do Olímpico

A primeira bandeira do Grêmio foi criada em 1904 tendo sido utilizada na passeata de inauguração do Estádio da Baixada no dia 4 de agosto. A bandeira de cores azul, preto e branco possuía listras intercaladas das respectivas cores e o escudo do clube no canto superior esquerdo, permaneceu como bandeira oficial até 1918.

Em 1918 o Grêmio acabou substituindo a primeira bandeira. Nas festividades de comemoração do Grêmio pela vitória contra a Seleção Uruguaia[carece de fontes]. O estandarte de caráter comemorativo tinha o mesmo formato da Bandeira do Brasil, com as cores do Grêmio e escudo do clube ao centro, e foi oferecida por uma torcedora para ser hasteada ao lado então bandeira do clube, mas, com o tempo, acabou substituindo a tradicional bandeira de 1904.

No dia 28 de maio de 1944 o Grêmio hasteava no Fortim da Baixada sua terceira bandeira, substituindo a então bandeira de 1918. A terceira mudança da bandeira foi forçada pela existência de vedação legal na utilização de símbolos nacionais. A nova bandeira em fundo azul como a antecessora, tinha o escudo do clube à esquerda, com seis linhas, sendo uma horizontal, em preto cortando ao meio a bandeira, uma vertical na mesma posição do símbolo e outras quatro em diagonais em branco, das pontas indo a encontro do símbolo. Na oportunidade o então dirigente do clube, Ary Delgado, discursou "Assim como as pessoas já encontram ao nascer a responsabilidade de um nome, esta bandeira hoje entregue ao Grêmio encontra uma gloriosa tradição".

As recorrentes mudanças na bandeira inaugurada em 1944 acabaram mudando a o local do escudo e a forma da bandeira, se assemelhando a bandeira da Grã-Bretanha, da mesma forma o escudo passou a levar a palavra GRÊMIO em destaque. A bandeira, em que pese a mesma, foi alterada novamente em 1970 quando passou a ostentar uma estrela dourada, em homenagem ao grande jogador Everaldo Marques da Silva, o primeiro atleta atuando por um clube gaúcho a ganhar uma Copa do Mundo de Futebol. A bandeira do Grêmio ainda passaria por pequenas modificações, mas nada que alterasse sua estrutura, que se mantém até hoje.

Abaixo réplicas aproximadas das bandeiras do Grêmio:

BANDEIRAS DO GRÊMIO DESDE 1903
1904-1918 1918-1944 1944-1963
Primeira Bandeira Grêmio.jpg Segunda Bandeira do Grêmio.png Terceira Bandeira Grêmio.png
1963-1970 1970 e Atual
Quarta Bandeira do Grêmio.png Atual Bandeira do Grêmio.png

Estrela Dourada

No dia 30 de junho de 1970, o Conselho Deliberativo do Grêmio realizou sessão solene para homenagear um dos maiores atletas gaúchos de todos os tempos, Everaldo Marques da Silva, nascido em Porto Alegre e até então atleta do clube, havia vencido o Mundial de Seleções no México, seis dias antes. A conquista, por si só grandiosa, trazia consigo outra grande façanha, Everaldo se tornara o primeiro jogador atuando por um clube gaúcho a se sagrar campeão mundial.

Pela façanha histórica, Everaldo recebeu o título de Atleta Laureado, duas cadeiras vitalícias no Estádio Olímpico Monumental e, a principal homenagem: uma estrela dourada em sua memória na bandeira do clube, para que o fato marcante para o futebol gaúcho fosse perpetuado.

Camisa do Grêmio

Hino do Grêmio

Mascote

Mascote na Arena do Grêmio

Não são precisas as informações a respeito do mascote do Grêmio, mas o fato principal confirmado pelas diversas fontes é que o mascote do Grêmio foi instituído graças a criação do chargista Pompeo, profissional do jornal Folha da Tarde, no ano de 1946.

Algumas fontes dizem que as tiras de charge eram publicadas nas segundas-feiras, outros dizem que eram nas terças-feiras e quintas-feiras, independente disso, é fato comprovado que fizeram razoável sucesso entre os torcedores, sobretudo os gremistas, que levavam a imagem do mosqueteiro, criada por Pompeo ao estádio.

Segundo informações, a imagem do mosqueteiro foi reproduzida em faixa com dizeres "Com o Grêmio, onde estiver o Grêmio", que futuramente foram adaptados e incorporados ao hino do clube, composto por Lupicínio Rodrigues. A frase acompanhou o desenho do mosqueteiro e ambos acabaram fazendo sucesso e parte da história do clube.

No livro Futebol e identidade social de Arlei Sander Damo, o escritor cita relato do gremista ilustre e supostamente um dos autores da faixa supracitada, Salim Nigri, sobre a história por trás do mascote gremista:


Segundo Salin, o mosqueteiro foi mesmo invenção do chargista Pompeu, da Folha da Tarde/Correio do Povo. Antes mesmo de iniciar o Campeonato Gaúcho de 1946, disputado apenas pelos clubes de Porto Alegre, a Folha da Tarde já anunciava que, às terças e sextas-feiras, seriam publicadas as charges do Pompeu e fazia uma breve explanação sobre o enredo e o perfil dos personagens. Resumidamente, “O Casamento da Rosinha” era uma metáfora sexual na qual a rosinha, “moça esbelta e vaidosa”, simbolizava o campeonato e, seus pretendentes, os clubes. Tinha o Zé Marmita, representando os colorados – “democrata cem por cento/quando surge o povo grita/Salve o Dr.Marmita”-, o Mosqueteiro, gremista – “esgrimista das palavras e da pelota” – e outros como o Seu Dindim, do Força e Luz – clube ligado à Companhia Carris, responsável pelos bondes – e o Seu Sertório, do Renner – um dos últimos “clubes de fábrica” do futebol gaúcho. O flerte da semana seguia de acordo com os resultados do domingo e, à medida que se aproximava o final do campeonato, a Rosinha voltava as suas atenções apenas para o Zé Marmita e Mosqueteiro, tendo, este Último, seduzido a moça. Cf Folha da Tarde entre 18/5/1946 e 1/10/1946.


A adesão ao mosqueteiro como mascote do clube aconteceu ainda em 1946. Segundo o Grêmio[1], o mascote simboliza a união e a bravura com que os gremistas se entregam à disputa, seguindo o espírito de “um por todos e todos por um”, como os mosqueteiros do romance de Alexandre Dumas.

O mascote possuiu inúmeras formas, inicialmente foi baseado na figura de um folclórico diretor gremista, Francisco Maineri. O primeiro mascote foi retratado como um sujeito rechonchudo e alegre, posteriormente surgiram outras imagens, oficiais ou não, sendo que atualmente o Grêmio adota um mascote atlético e alegre, criado nos anos 2000, além de divulgar o mascote de seu site GremioToons. Abaixo alguns mascotes oficiais ou não, relacionados ao Grêmio:

Escudos do Grêmio desde 1903
Mascote de 1967 Outros Outros Mascote de 2000 Outros Mascote GremioToons
Mascote Grêmio 1 1967.png Mascote Grêmio 2.png Mascote Grêmio 3.png Mascote Grêmio 4 2000.png Mascote Grêmio 5.png Mascote Grêmio 6.png

Jornal O Mosqueteiro

Para difundir a ideia do Mosqueteiro como mascote do clube, foi criado em 1946 o Jornal O Mosqueteiro que trazia notícias e curiosidades sobre o clube.

Publicações

Livros
  • DAMO, Arlei Sander. Futebol e identidade social. Uma leitura antropológica das rivalidades entre torcedores e clubes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002. ISBN 85-7025-635-3

Referências

  1. Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. História do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Visitado em 27 de agosto de 2015.

Ligações externas