Hino do Grêmio

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

O Hino, definidos em diversos dicionários como composição musical acompanhada de versos em exaltação a coisa ou pessoas, é uma das formas de expressão em música de determinada adoração. No caso do futebol, o hino é uma das formas mais genuínas de música destinada aos clubes, exaltando seus momentos de glória e feitos do passado.

Assim como outros clubes do Mundo, o Grêmio possui um hino. Na verdade, durante sua história possuiu três. No ano de 1924, por Isidoro Leal. O segundo hino foi criado em 1949, após um concurso realizado pelo Grêmio, vencido por Breno Blauth. Por fim, em 1953 foi criado o atual hino do clube pelo grande compositor Brasileiro, Lupicínio Rodrigues.

O Primeiro Hino

O primeiro hino do Grêmio foi criado em 1924, por Isidoro Leal. Isidoro era jornalista e escritor, nascido em Santana do Livramento, na fronteira entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai, vindo a falecer na cidade de Porto Alegre, em 1950. O hino de 1924 manteve-se como hino oficial do clube até o ano de 1946 e era o seguinte:

Letra


Segundo Hino

Em 1946 o Grêmio decidia pela criação de um novo hino. Para isso, a Direção do Clube criou um concurso para escolher a melhor composição a se tornar o novo hino oficial do Grêmio. Por fim, a Marcha de Guerra do Grêmio, composta por Breno Blauth, filho do ex-conselheiro gremista Otto Blauth, foi escolhida para substituir o hino criado em 1924. O hino gravado pela cantora e acordeonista Janete Cecin e era o seguinte:

Letra

Terceiro e atual Hino

Em 1953 o Grêmio decidiu realizar concurso entre os torcedores para criar um hino comemorativo devido ao cinquentenário da instituição. Um dos participantes de tal concurso foi Lupicínio Rodrigues, gremista fanático e grande nome da música nacional, que viria a ganhar o concurso com sua composição.

O hino foi composto por Lupicínio no Restaurante Copacabana, na cidade de Porto Alegre, sendo que, pelo brilhantismo de sua composição, acabou desbancando o então hino oficial, composto por Breno Blauth, de 1946, e se tornou o hino atual do clube.

Até a pé nós iremos

Uma das mais famosas frases do Gremismo, "até a pé nós iremos", é até hoje de origem incerta. Existem duas versões existentes sobre sua origem, a mais difundida dá conta que em razão da greve de bondes em Porto Alegre, Lupicínio e os demais torcedores tiveram que ir a pé até o Estádio dos Eucaliptos]] para assistir um Gre-Nal e que deste fato surgira a célebre frase. A segunda vertente vem do jornalista Luiz Mendes que, em depoimento a Marcelo Ferla no livro Imortal Tricolor, afirma que a saudosa frase veio de fato ocorrido em 24 de maio de 1952, quando o compositor viajava com a delegação do Grêmio para Cachoeira do Sul onde o clube enfrentaria o Cachoeira; na oportunidade o ônibus do time foi impedido de chegar no estádio devido a obras, sendo que a delegação foi, a pé, até o estádio do adversário, onde venceram por 5x3.

Com o Grêmio onde o Grêmio estiver

A frase Com o Grêmio onde o Grêmio estiver é criação do grande autor do atual hino, Lupicínio Rodrigues, mas ela não surgiu de sua inegável criatividade, é uma adaptação da frase criada por outro gremista, o ilustre torcedor Salim Nigri. Em 1946 Salim Nigri levou ao estádio uma faixa azul com com letras brancas escrito Com o Grêmio, onde estiver o Grêmio, a frase acabou adaptada e incluída no hino do Imortal, se transformando em um dos principais símbolos do clube.

O Craque Imortal

O atual hino do Grêmio conta com um fato inusitado, é um dos poucos clubes do Mundo que cita um jogador em seu cântico. O goleiro Eurico Lara, herói e lenda gremista, considerado por muitos o maior jogador da história do clube, foi homenageado por Lupicínio Rodrigues. O jogador gremista foi um dos heróis do Gre-Nal Farroupilha, o qual tinha sido impedido de jogar por problemas médicos sob risco de morte. Teve grande atuação no primeiro tempo do clássico e sendo substituído no intervalo, quando foi encaminhado ao hospital, falecendo dias depois.

Letra

Publicações

Livros
  • FERLA, Marcelo Câmara. Imortal Tricolor 100 Anos de Glória. L&PM Editores, 2002. ISBN 85-254-1245-7

Referências