Copa Libertadores da América de 1983

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa
Taça Libertadores da América de 1983
XXIV Copa Libertadores
Dados
Participantes 21
Organização CONMEBOL
Local de disputa Flags of the Union of South American Nations.gif América do Sul
Período 3 de março28 de julho
Gol(o)s 184
Partidas 75
Média 2,45 gol(o)s por partida
Campeão Brasil Grêmio (1º título)
Vice-campeão Uruguai Peñarol
Melhor marcador Arsenio Luzardo (Uruguai Nacional) – 8 gols
Melhor ataque (fase inicial) Brasil Grêmio – 13 gols
Melhor defesa (fase inicial) Colômbia América de Cali – 3 gols
Maiores goleadas
(diferença)
Bolívar Bolívia 6 – 0 Bolívia Blooming
Hernando Siles, La Paz
13 de março, Grupo 2
 
Flamengo Brasil 7 – 1 Bolívia Blooming
Estádio Maracanã, Rio de Janeiro
22 de abril, Grupo 2
Público 1 806 227
Média 29 132,7 pessoas por partida
◄◄ Libertadores 1982 Soccerball.png Libertadores 1984 ►►

A Copa Libertadores da América de 1983, foi a 24ª edição da competição de futebol realizada anualmente pela Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL). Participaram clubes das dez associações sul-americanas. A disputa teve seu início em 3 de março e o término em 28 de julho. O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense conquistou seu primeiro título na competição ao vencer o Club Atlético Peñarol, então tricampeão do Mundo e tetracampeão da América, por um placar agregado de 3x2. Como campeão, o clube participou do Mundial de Clubes como representante da CONMEBOL.

Troféu da Copa Libertadores da América de 1983, conquistado pelo Grêmio.

Equipes participantes

País Equipe Classificação Fase
Argentina Argentina


(2 vagas)

Ferro Carril Oeste Campeão do Campeonato Nacional de 1982 Primeira fase
Estudiantes Campeão do Campeonato de Primeira Divisão 1982
Bolívia Bolívia


(2 vagas)

Bolívar Campeão do Campeonato de Primeira Divisão 1982
Blooming Vice-campeão do Campeonato de Primeira Divisão 1982
Brasil Brasil


(2 vagas)

Flamengo Campeão do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1982
Grêmio Vice-campeão do Campeonato Brasileiro de Futebol de 1982
Chile Chile


(2 vagas)

Cobreloa Campeão do Campeonato de Primeira Divisão 1982
Colo-Colo Ganhador da Liguilla Pre-Libertadores 1982
Colômbia Colômbia


(2 vagas)

América de Cali Campeão do Campeonato Colombiano 1982
Deportes Tolima Vice-campeão do Campeonato Colombiano 1982
Equador Equador


(2 vagas)

El Nacional Campeão do Campeonato Equatoriano de Futebol 1982
Barcelona-EQU Vice-campeão do Campeonato Equatoriano de Futebol 1982
Paraguai Paraguai


(2 vagas)

Olimpia Campeão do Campeonato Paraguayo de Fútbol 1982
Nacional-PAR Vice-campeão do Campeonato Paraguaio de Futebol 1982
Perú Peru


(2 vagas)

Universitario Campeão do Campeonato Descentralizado 1982
Alianza Lima Vice-campeão do Campeonato Descentralizado 1982
Uruguai Uruguai


(2 vagas + campeão da Libertadores)

Peñarol Campeão da Copa Libertadores de 1982 Semifinal
Nacional-URU 1º lugar da Liguilla Pre-Libertadores de América de 1982 Primeira fase
Wanderers 2º lugar da Liguilla Pre-Libertadores de América de 1982
Venezuela Venezuela


(2 vagas)

San Cristóbal Campeão da Primera División Venezolana 1982
Deportivo Táchira Vice-campeão da Primeira Divisão Venezuelana 1982

A Copa

Peñarol, Campeão da Libertadores e do Mundo de 1982

Criada no ano de 1960, a Taça Libertadores da América, nome em homenagem aos principais líderes da independência das nações da América do Sul, tinha como campeões, até 1983, os maiores times do continente, a citar Peñarol, Independiente, Estudiantes, Nacional-URU, Boca Juniors e Olimpia. Os brasileiros não tinha um grande rol de campeões, sendo somente Santos, Flamengo e Cruzeiro os times que, antes do Grêmio, levantaram a taça.

A competição era dominada por dois clubes, Independiente e Peñarol, sendo o primeiro 6 e o segundo 4 vezes campeão, seguido pela equipe argentina do Estudiantes de La Plata, com 3 conquistas e outros vários com 2 e 1 título, a citar importantes clubes como Nacional-URU e Boca Juniors, ambos com 2 taças. Por ironia do destino, o Grêmio viria a participar da copa de 83 com três dos cinco maiores clubes da competição, além do Flamengo de Zico, contra o qual havia perdido o polêmico Campeonato Brasileiro de 1982.

O prestígio da Copa Libertadores não se dava apenas ao confronto entre grandes plantéis do futebol sul-americano, mas também ao fato da mesma levar ao Mundial Interclubes. Até então a competição não levava a disputa da Recopa Sul-Americana, criada no ano de 1989, dado que não havia uma segunda competição na América do Sul, mas conferia ao vencedor o direito a disputa da Copa Interamericana, que não era jogada continuamente por diversos problemas de datas e segurança.

Precedentes à conquista

Final do Brasileirão de 1982

Em uma reação surpreendente iniciada no final dos anos 70, o Grêmio montou um grande plantel, superando a década de hegemonia do rival Internacional e conquistando o Campeonato Gaúcho de 1976, oito anos após o último título. Em 1981, o Grêmio coroava uma acensão ao primeiro nível do futebol brasileiro com a conquista do primeiro título do Campeonato Brasileiro de Futebol, na final contra o São Paulo no Estádio Morumbi.

O título conquistado em 81 deu ao Tricolor do Sul a vaga na Copa Libertadores do ano seguinte. Em 1982 estreávamos pela primeira vez na competição continental, por azar, caímos no chamado "Grupo da Morte", com São Paulo, Peñarol, que viria a se sagrar campeão, e Defensor Sporting. Perdemos apenas dois jogos, ambos para os uruguaios, ficamos em terceiro na classificação, sendo eliminados na primeira fase, já que somente seguia o melhor da chave, no caso o Peñarol.

Mesmo com uma participação curta na Libertadores, o Grêmio teve uma apresentação honrável e foi para a disputa do Brasileirão com moral. Chegou as quartas-de-final vencendo o Fluminense, passou pelo Corinthians, ganhando os dois jogos, sendo o segundo na casa do adversário por 3X1, e seguiu para a final na disputa contra o Flamengo. No primeiro jogo um empate em 1x1 no Estádio Maracanã completamente lotado, gols de Tonho e Zico; no jogo de volta no Estádio Olímpico Monumental um 0x0 levou a disputa para a terceira partida, ainda em Porto Alegre. Na final decisiva, o jogo marcava o score de 0x1, que consagrava o Flamengo como campeão nacional, até que o Grêmio um dos lances mais polêmicos da história do Grêmio ocorreu, o jogador Andrade teria tirado a bola que entrava ao gol com a mão, à época o árbitro Oscar Scolfaro nada marcou.

A conquista

A Batalha de La Plata em 1983

O vice de 82 garantiu a segunda participação gremista na Libertadores da América do ano seguinte, contra os grandes clubes da América como Nacional e Peñarol do Uruguai, Olímpia do Paraguai, Flamengo do Brasil e Estudiantes da Argentina. Iniciava o provável coadjuvante Grêmio em seu sonho de atingir o topo do Mundo. Os rivais eram grandes campeões, que somavam juntos 11 dos até então 23 títulos da competição, 8 Mundiais Interclubes e exatos 183 campeonatos nacionais.

Na primeira fase o Tricolor restou na Chave 2, com Flamengo, Blooming e Bolivar, sendo os dois últimos da Bolívia. O grupo era relativamente fácil se comparado ao que enfrentamos em 1981, com São Paulo, Peñarol e Defensor Sporting, não por menos o Imortal terminaria invicto, com 5 vitórias e 1 empate contra o Flamengo. Foram 13 gols pró e 4 gols contra.

Da primeira fase partia-se diretamente para as semi-finais, não no formato de mata-mata, mas sim duas chaves com três equipes cada. O Grêmio ficou no Grupo 1, com os fortes América de Cali e Estudiantes de La Plata; no Grupo 2 estavam os temidos Nacional e Peñarol, sendo o segundo atual campeão da competição e do Mundo, entrando direto nesta fase, além do Atlético San Cristóbal que se classificou no grupo tido como o fácil, contra o compatriota venezuelano Deportivo Tátira e os equatorianos El Nacional e Barcelona.

Grêmio Campeão da Libertadores de 1983

O Grêmio começou vencendo o Estudiantes no estádio Olímpico por 2x1, com um gol a favor perto do final da partida. No segundo jogo sofreu o revés perdendo para o América de Cali por 1X0, mas se recuperando na vitória em Porto Alegre por 2x1 cinco dias depois. Foi então que o Imortal foi a Argentina para joga contra o Estudiantes em um jogo épico cercado de tensão e acusações aos brasileiros de auxiliar inimigos de guerra do povo vizinho, envolvido na Guerra das Malvinas, em partida que ficou conhecida como A Batalha de La Plata. O jogo, que terminou em 3x3, foi um dos mais memoráveis da história do Grêmio.

Depois de sofrer uma pressão inimaginável em solo argentino, precisávamos de um resultado desfavorável do Estudiantes para seguir na competição, resultado que veio no empate sem gols dos hermanos com o América de Cali, dando a vaga na final aos gaúchos. Pelo lado do Grupo B, o Peñarol conseguiria uma classificação invicta, seguindo para a decisão como favorito.

Em 22 de julho de 1983 chagava o grande dia, de um lado o gigante Peñarol, 3 vezes campeão Mundial, 4 da Copa Libertadores e 38 do Campeonato Uruguaio. Do outro o Grêmio, uma vez campeão brasileiro e em plena acensão no cenário futebolístico continental. Os gaúchos demonstraram sua força abrindo o marcador, mas não conseguiram segurar o resultado permitido o empate no segundo tempo. O empate com gols dava esperanças de um futuro áureo em Porto Alegre, seis dias depois.

Com mais de 70 mil pessoas no Estádio Olímpico Monumental, o Imortal duelava pela última vez na busca do maior título da sua história até então, o dia 28 de julho ficaria marcado pelas gerações como exemplo a ser seguido pelos plantéis subsequentes a esse, exemplo de raça e amor a camisa, aquilo que os gremistas sempre deram alto valor.

Novamente era o Grêmio que fazia o primeiro ao gol, Caio abria o marcador com 10 minutos de jogo, explodia a nação branco, preto e azul nas arquibancadas. Os mandantes dominavam, mas os uruguaios conseguiram empatar na segunda etapa, como no jogo em Montevidéu. O placar levava a disputa para um terceiro jogo na Argentina, não era o que o Grêmio queria. Foi então que César fez a alegria do povo tricolor, estufou a rede adversária e guardou a taça na memoria e coração dos gremistas, para todo o sempre.

Estádios

Alianza Lima América de Cali Barcelona-EQU Blooming Bolivar Cobreloa
El Matute Pascual Guerrero El Modelo Ramón Aguilera Hernando Siles Zorros del Desierto
Capacidade: 35 000 Capacidade: 35 405 Capacidade: 42 000 Capacidade: 38 500 Capacidade: 41 143 Capacidade: 12 000
Matute.jpg Estádio Olímpico Pascual Guerrero.jpg Estádio Modelo Alberto Spencer.jpg Estádio Ramón Tahuichi Aguilera.jpg Estádio Hernando Siles.jpg Estádio Zorros del Desierto.jpg
Colo-Colo
Deportes Tolima
Estádio Nacional Manuel Toro
Capacidade: 55 100 Capacidade: 28 200
Estádio Nacional de Chile.jpg Estádio Manuel Murillo Toro.jpg
El Nacional Estudiantes
Olímpico Atahualpa Jorge Hirschi
Capacidade: 38 500 Capacidade: 23 000
Estádio Olímpico Atahualpa.jpg Jorge luis hirschi.jpg
Ferro Carril Oeste Flamengo
El Templo Maracanã
Capacidade: 24 440 Capacidade: 78 838
Estádio Arquiteto Ricardo Etcheverry.jpg Estádio Maracanã.jpg
Grêmio Nacional-PAR
Olímpico Defensores del Chaco
Capacidade: 51 081 Capacidade: 42 354
Estádio Olímpico.jpg Defensores-del-chaco-diez.jpg
Nacional-URU Olimpia Peñarol Universitario Wanderers Venezuelanos
Centenário Defensores del Chaco Centenário Estádio Nacional Centenário El Templo Sagrado
Capacidade: 65 235 Capacidade: 42 354 Capacidade: 65 235 Capacidade: 50 000 Capacidade: 65 235 Capacidade: 42 500
Estadio centenario uru.jpg Defensores-del-chaco-diez.jpg Estadio centenario uru.jpg Estádio Nacional do Peru.jpg Estadio centenario uru.jpg Estádio Polideportivo de Pueblo Nuevo.jpg

Primeira fase

A primeira fase da Copa Libertadores da América de 1983 dividia as equipes por confederações nacionais, com campeões e vices disputando uma única vaga para as semifinais da competição. Pela ordem os grupos foram divididos em cinco, com enfrentamentos entre os classificados da Argentina e Chile, Brasil e Bolívia, Colômbia e Peru, Equador e Venezuela, Uruguai e Paraguai. Os pontos eram concedidos conforme critérios da FIFA, com dois pontos concedido aos vencedores das partidas e um para empates. Em caso de empate na classificação, seria realizado um jogo extra para decidir o dono da vaga.

Grupo 1

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Argentina Estudiantes 7 6 3 1 2 8 6 2
2 Chile Cobreloa 6 6 3 0 3 8 6 2
3 Chile Colo-Colo 6 6 3 0 3 5 8 -3
4 Argentina Ferro Carril 5 6 2 1 3 4 5 -1
  EST COB COL FER
Estudiantes 2–0 4-1 0-0
Cobreloa 3–0 2–0 2-1
Colo-Colo 1-0 2-1 1-0
Ferro Carril 1-2 1-0 1-0

Grupo 2

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Brasil Grêmio 11 6 5 1 0 13 4 9
2 Brasil Flamengo 6 6 2 2 2 15 10 5
3 Bolívia Bolívar 4 6 2 0 4 13 14 -1
4 Bolívia Blooming 3 6 1 1 4 4 17 -13
  GRE FLA BOL BLO
Grêmio 1-1 3-1 2-0
Flamengo 1-3 5-2 7-1
Bolívar 1-2 3-1 6-0
Blooming 0-2 0-0 3-0

Grupo 3

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Colômbia América de Cali 10 6 4 2 0 10 3 7
2 Colômbia Tolima 6 6 1 4 1 5 6 -1
3 Perú Universitario 4 6 0 4 2 5 8 -3
4 Perú Alianza Lima 4 6 1 2 3 3 6 -3
  AME TOL UNI ALI
América de Cali 1-1 2-0 2-0
Tolima 0-2 1-1 0-0
Universitario 1-1 2-2 0-0
Alianza Lima 1-2 0-1 2-1

Grupo 4

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Venezuela San Cristóbal 8 6 3 2 1 8 4 4
2 Equador El Nacional 7 6 3 1 2 7 4 3
3 Equador Barcelona-EQU 4 6 1 2 2 7 9 -2
4 Venezuela Táchira 3 6 0 3 3 1 6 -5
  SAN ELN BAR TAC
San Cristóbal 1–0 2-0 2-0
El Nacional 1–0 3-1 3-0
Barcelona-EQU 3-3 2-0 n/d
Deportivo Táchira 0-0 0-0 1-1

Grupo 5

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Uruguai Nacional-URU¹ 9 6 4 1 1 12 4 8
2 Uruguai Wanderers¹ 9 6 3 3 0 9 5 4
3 Paraguai Nacional-PAR 4 6 1 2 3 6 12 -6
4 Paraguai Olimpia 2 6 0 2 4 3 9 -6
  NAC WAN NPA OLI
Nacional-URU 1-1 4-2 3-0
Wanderers 1–0 3-1 0-0
Nacional-PAR 0-3 1-1 0-0
Olimpia 0-1 2-3 1-2

Semi-finais

A semifinal da competição dividia os cinco classificados na fase anterior, mais o campeão da Copa Libertadores da América de 1982, o Peñarol em dois grupos de três equipes. Com jogos de ida e volta, as melhores equipes de cada grupo se classificavam para a final do torneio. Em caso de empate, se realizaria um jogo extra.

Grupo A

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Brasil Grêmio 5 4 2 1 1 7 6 1
2 Argentina Estudiantes 4 4 1 2 1 6 5 1
3 Colômbia América de Cali 3 4 1 1 2 2 4 -2
  GRE EST AME
Grêmio 2-1 2-1
Estudiantes 3-3 2-0
América de Cali 1-0 0-0

Grupo B

Pos Equipe Pts J V E D GP GC SG
1 Uruguai Peñarol 7 4 3 1 0 5 1 4
2 Uruguai Nacional-URU 4 4 2 0 2 8 6 2
3 Venezuela San Cristóbal 1 4 0 1 3 2 8 -6
  PEN NAC SAN
Peñarol 2-0 1-0
Nacional-URU 1-2 5-1
San Cristóbal 0-0 1-2

Final

Primeiro Jogo

Copa Libertadores Peñarol Uruguai 1–1 Brasil Grêmio Estádio Centenário, Montevidéu-URU
22 de julho de 1983
21:15 (UTC-2), sexta-feira
Fernando Morena Gol marcado aos 35 minutos de jogo 35' Ficha Técnica Gol marcado aos 12 minutos de jogo 12' Tita Público: 70.000 pessoas
Renda: não divulgado
Árbitro: ArgentinaARG Teodoro Nitti
Assistente 1: ArgentinaARG Juan Romero
Assistente 2: ArgentinaARG Artur Ithurralde
Quarto Árbitro: UruguaiURU Juan Daniel Cardellino
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Peñarol
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Grêmio
GL Uruguai Gustavo Fernández
LD Uruguai Néstor Montelongo
ZG Uruguai Walter Olivera
ZG Uruguai Nelson Gutiérrez
LE Uruguai Víctor Diogo Silva
VL Uruguai Miguel Bossio
VL Uruguai Mario Saralegui
MC Uruguai José Luis Zalazar
MC Uruguai Venancio Ramos
AT Uruguai Walkir Silva Substituído após a minutos de jogo a'
AT Uruguai Fernando Morena Penalizado com cartão amarelo
Substituições:
AT Uruguai Julio Villarreal Entrou em campo após a minutos a'
Treinador:
Uruguai Hugo Bagnulo
GL Brasil Mazarópi
LD 17 Brasil Paulo Roberto
ZG Brasil Baidek
ZG Uruguai De León Capitão
LE 4 Brasil Casemiro
VL Brasil China
VL Brasil Osvaldo
MC 10 Brasil Tita
MC Brasil Renato Portaluppi
AT Brasil Tarciso
AT Brasil Caio Substituído após a minutos de jogo a'
Substituições:
AT BrasilCésar Entrou em campo após a minutos a'
Reservas:
GL Brasil Beto
ZG Brasil Leandro
LE Brasil Paulo César Magalhães
MC Brasil Tonho Gil
Treinador:
Brasil Valdir Espinosa


Segundo Jogo

Copa Libertadores Grêmio Brasil 2–1 Uruguai Peñarol Estádio Olímpico, Porto Alegre-RS
28 de julho de 1983
21:50 (UTC-2), quinta-feira
Caio Gol marcado aos 10 minutos de jogo 10'
César Gol marcado aos 77 minutos de jogo 77'
Relatório Gol marcado aos 70 minutos de jogo 70' Morena Público: 73.093 pessoas
Renda: Cr$ 110.551.500
Árbitro: PerúPER Edison Pérez
Assistente 1: PerúPER Enrique Labo Revoredo
Assistente 2: PerúPER Carlos Montalvan
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Grêmio
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Peñarol
GL Brasil Mazarópi
LD Brasil Paulo Roberto Penalizado com cartão amarelo
ZG Brasil Baidek
ZG Uruguai De León Capitão
LE Brasil Casemiro
VL Brasil China
VL Brasil Osvaldo
MC Brasil Tita Penalizado com cartão amarelo
MC Brasil Renato Portaluppi Penalizado com cartão amareloPenalizadoPenalizadoExpulso
AT Brasil Tarciso
AT Brasil Caio Substituído após a minutos de jogo a'
Substituições:
AT BrasilCésar Entrou em campo após a minutos a'
Reservas:
GL Brasil Beto
ZG Brasil Leandro
LE Brasil Paulo César Magalhães
MC Brasil Tonho Gil
Treinador:
Brasil Valdir Espinosa
GL Uruguai Gustavo Fernández
LD Uruguai Néstor Montelongo
ZG Uruguai Walter Olivera Penalizado com cartão amarelo
ZG Uruguai Nelson Gutiérrez
LE Uruguai Víctor Diogo Silva
VL Uruguai Miguel Bossio
VL Uruguai Mario Saralegui Penalizado com cartão amarelo
MC Uruguai José Luis Zalazar
MC Uruguai Venancio Ramos Penalizado com cartão amareloPenalizadoPenalizadoExpulso
AT Uruguai Walkir Silva Substituído após a minutos de jogo a'
AT Uruguai Fernando Morena Penalizado com cartão amarelo
Substituições:
ZG Uruguai Miguel Peirano Entrou em campo após a minutos a'
Treinador:
Uruguai Hugo Bagnulo

Premiação

Copa Libertadores da América de 1983
Flag of Brazil.svg Grêmio Campeão da Liertadores da América de 1983 Troféu da Copa Libertadores da América de 1983, conquistado pelo Grêmio.
Escudo Grêmio.png
Campeão
(1º título)

Estatísticas

Artilharia

Público

Maiores públicos

Estes são os dez maiores públicos da competição:

Público Mandante Placar Visitante Estádio Data Fase
1 73 093 Grêmio Brasil 2–1 Uruguai Peñarol Estádio Olímpico 28 de julho Final
2 70 000 Peñarol Uruguai 1–1 Brasil Grêmio Estádio Centenário 22 de julho Final
3 61 954 Colo-Colo Chile 1–0 Argentina Estudiantes Estádio Nacional 8 de abril Primeira fase
4 61 600 Nacional-URU Uruguai 1–2 Uruguai Peñarol Estádio Centenário 15 de julho Semifinal
5 55 000 Peñarol Uruguai 2–0 Uruguai Nacional-URU Estádio Centenário 5 de julho Semifinal
6 45 000 Nacional-URU Uruguai 2–1 Uruguai Wanderers Estádio Centenário 26 de maio Primeira fase
6 45 000 América de Cali Colômbia 1–0 Brasil Grêmio Estádio Pascual Guerrero 24 de junho Primeira fase
8 43 316 Colo-Colo Chile 1–0 Argentina Ferro Carril Oeste Estádio Nacional 5 de abril Primeira fase
9 43 125 Grêmio Brasil 1–1 Brasil Flamengo Estádio Olímpico 4 de março Primeira fase
10 40 000 Bolívar Bolívia 6–0 Bolívia Blooming Estádio Hernando Siles 13 de março Primeira fase
10 40 000 América de Cali Colômbia 2–0 Perú Universitario Estádio Pascual Guerrero 24 de abril Primeira fase
10 40 000 Barcelona-EQU Equador 2–0 Equador El Nacional Estádio Modelo 24 de abril Primeira fase
10 40 000 Nacional-PAR Paraguai 0–0 Paraguai Olimpia Estádio Defensores del Chaco 27 de abril Primeira fase

Menores públicos

Estes são os dez menores públicos da competição:

Público Mandante Placar Visitante Estádio Data Fase
1 2 000 Nacional-PAR Paraguai 0–3 Uruguai Nacional-URU Estádio Defensores del Chaco 11 de maio Primeira fase
2 2 500 Wanderers Uruguai 3–1 Paraguai Nacional-PAR Estádio Centenário 12 de abril Primeira fase
3 3 000 Flamengo Brasil 5–2 Bolívia Bolívar Estádio Maracanã 22 de abril Primeira fase
4 3 850 Alianza Lima Perú 2–1 Perú Universitario Estádio Alejandro Villanueva 13 de abril Primeira fase
5 4 600 Nacional-PAR Paraguai 1–1 Uruguai Wanderers Estádio Defensores del Chaco 3 de maio Primeira fase
5 4 600 Olimpia Paraguai 2–3 Uruguai Wanderers Estádio Defensores del Chaco 5 de maio Primeira fase
7 6 145 Flamengo Brasil 1–3 Brasil Grêmio Estádio Maracanã 6 de junho Primeira fase
8 7 890 Cobreola Chile 3–0 Argentina Estudiantes Estádio Zorros del Desierto 5 de abril Primeira fase
9 8 000 Nacional-URU Uruguai 5–1 Venezuela San Cristóbal Estádio Centenário 13 de julho Primeira fase
10 9 485 Cobreola Chile 2–1 Argentina Ferro Carril Oeste Estádio Zorros del Desierto 8 de abril Primeira fase

Classificação geral

Foram adotados os critérios de classificação das fases de grupos para definir a colocação dos clubes na competição.

Classificação final
Pos. Times P J V E D GP GC SG
Campeão
1 Brasil Grêmio 19 12 8 3 1 23 12 +11
Vice-campeão
2 Uruguai Peñarol 8 6 3 2 1 7 4 +3
Eliminados nas semifinais
3 Uruguai Nacional 13 10 6 1 3 20 10 +10
4 Colômbia América de Cali 13 10 5 3 2 12 7 +5
5 Argentina Estudiantes 11 10 4 3 3 14 11 +3
6 Venezuela San Cristóbal 9 10 3 3 4 10 12 -2
Eliminados na primeira fase
7 Uruguai Montevideo Wanderers 9 6 3 3 0 9 5 +4
8 Brasil Flamengo 6 6 2 2 2 15 10 5
9 Chile Cobreloa 6 6 3 0 3 8 6 +2
10 Equador El Nacional 7 6 3 1 2 7 4 +3
11 Chile Colo-Colo 6 6 3 0 3 5 8 -3
12 Colômbia Deportes Tolima 6 6 1 4 1 5 6 -1
13 Argentina Ferro Carril Oeste 5 6 2 1 3 4 5 -1
14 Bolívia Bolívar 4 6 2 0 4 13 14 -1
15 Equador Barcelona-EQU 4 6 1 2 2 7 9 -2
16 Paraguai Nacional 4 6 1 2 3 6 12 -6
17 Perú Universitario 4 6 0 4 2 5 8 -3
18 Perú Alianza Lima 4 6 1 2 3 3 6 -3
19 Bolívia Blooming 3 6 1 1 4 4 17 -13
20 Venezuela Deportivo Táchira 3 6 0 3 3 1 6 -5
21 Paraguai Olimpia 2 6 0 2 4 3 9 -6

Referências

Ligações externas