Carlos Manuel Rodríguez

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Carlos Manuel Rodríguez
Carlos Manuel Rodríguez
Chamaco Rodríguez
Informações pessoais
Nome completo Carlos Manuel Rodríguez
Data de nasc. 31 de janeiro de 1944 (75 anos)
Local de nasc. Argentina Argentina
Nacionalidade Argentino
Apelido Chamaco Rodríguez
Informações profissionais
Clube atual Ex-atleta
Posição Volante
Números no Grêmio como Jogador
Jogos Gols Média
18 1 0.06
  • A estatística pode estar incompleta.
Clubes profissionais
Anos Clubes
1965-1967

1971

Ferro Carril Oeste
River Plate
Grêmio
Nacional
Deportivo Cali



Carlos Manuel Rodríguez, mais conhecido como Chamaco ou Chamaco Rodríguez, (Argentina, 31 de janeiro de 1944), é um ex-futebolista argentino, que atuava como volante.

O jogador

Chamaco jogou nas equipes argentinas do Ferro Carril Oeste e River Plate[1], de onde se transferiu para o Grêmio em 1971, sendo dispensado pelo técnico do River Plate, o brasileiro Didi, que alegava ser o jogador "pouco objetivo". No Grêmio Chamaco Rodríguez dividiu opiniões, sendo considerado um jogador de raça e certa técnica por alguns, mas uma decepção e truculento por outros.

É conhecido por um lance histórico segundo algumas fontes. Ainda em 1971 quando defendia o Grêmio, disputou partida contra o Inter de Santa Maria no Estádio Presidente Vargas, na ocasião teria feito um gol de bicicleta com o calcanhar. Muitos associam erroneamente o lance a um clássico Gre-Nal, mas o Inter em questão era o do Interior.

O argentino acabou saindo do Grêmio ainda em 1971, após negociação com o Nacional. Foi trocado pelo uruguaio Ancheta e mais uma soma pecuniária ao time uruguaio[2]. Na época a CBD só permitia dois estrangeiros no time, outro motivo pela sua saída do clube, que já tinha Scotta e teria Ancheta. Chamaco Rodríguez jogou ainda no Nacional, em função da troca com o Grêmio, bem como no Deportivo Cali.

Títulos

Como jogador

Grêmio
Nacional


Referências

  1. Revista Olé, em espanhol. "Me enseñaron a no llorar" 11/05/2015. Visitado em 8 de outubro de 2015.
  2. Revista Placar. Durar a Trégua? 15/03/1974. Visitado em 20 de setembro de 2015.