João Rodrigo Cardoso Esteves

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Cardoso
Cardoso

João Rodrigo Cardoso Esteves

Informações pessoais
Nome completo João Rodrigo Cardoso Esteves
Data de nasc. 25 de dezembro de 1939
Local de nasc. Uruguaiana-RS, BRA
Nacionalidade Brasil
Falecido em 23 de junho de 2019 (79 anos)
Informações profissionais
Função Atacante
Registro CBF 022201
Funções
Jogador
Jogador
Treinador
Treinador
Árbitro
Árbitro
Como jogador do Grêmio
Jogos Gols Média
70 19 0.27
  • A estatística pode estar incompleta.
Clubes profissionais
Anos Clubes
1959 Brasil Uruguaiana
1959-1962 Brasil Grêmio
1962-1963 Brasil Palmeiras
1964-1966 Argentina Newell's Old Boys
1966 Argentina Independiente
1966-1968 Argentina Racing
1968 Brasil Náutico
1969 Argentina Newell's Old Boys

João Rodrigo Cardoso Esteves, também conhecido como Cardoso (Uruguaiana-RS, BRA, 25 de dezembro de 1939 -  BRA, 23 de junho de 2019).

Icone Livro.png História

Aos 20 anos, assinou seu primeiro contrato profissional, após destacar-se em uma olimpíada militar.[1] Foi no time de sua cidade, o Uruguaiana. Três meses depois, realizou o sonho de infância de ir para o Grêmio, após destacar-se em um amistoso contra o Tricolor.[1]

Porém, não encontrou espaço em um time que já contava para a sua posição de centroavante com os ídolos Gessy e Juarez.[1] Continuou sem ser muito aproveitado mesmo após sair-se bem em uma excursão do Grêmio pela Europa, onde marcou doze vezes e chegou a enfrentar inclusive Ferenc Puskás e o Real Madrid.[1] Acabou envolvido em uma transação com o Newell's Old Boys, então na segunda divisão argentina. Cardoso confessou que desconhecia totalmente o futebol vizinho. Mas ali não sentiu-se sozinho; a equipe de Rosário havia contratado outros sete brasileiros, na época em que o Brasil estava embalado com o bicampeonato mundial.[1]

Em 1963, a Lepra conseguiu o acesso para a elite e Cardoso tornou-se ídolo, ficando um total de quatro temporadas na equipe rubronegra, que passou a ser o seu clube de coração.[1]"O Newell's acreditou em mim, que era desconhecido na Argentina. Fui trocado, como se troca um cacho de banana", declararia.[1] Em 1966, em uma das maiores transferências do futebol argentino na época,[1] chegou a uma das grandes equipes do país, o Independiente.[1]

Estreou com tudo, marcando um gol e aproveitando bola dada como perdida para dar passe para outro, empatando uma partida em que os Diablos Rojos perdiam por 0 x 2. O adversário era o Boca Juniors, em plena La Bombonera.[1] Apesar do alto impacto, pouco ficou no clube; no ano seguinte, foi justamente para o arquirrival Racing. Como ponta-direita, participou do ano áureo da Academia, que disputaria sua primeira Taça Libertadores da América, competição que o Independiente já havia vencido duas vezes.

Após jogos truculentos pelo continente ("Era uma loucura. Tu eras maltratado, xingado, apedrejado. No campo, te atiravam pedra, garrafa. A polícia, em vez de cuidar da gente, batia também. A falta era marcada somente em caso de fratura exposta ou nariz quebrado", disse[1]), o Racing chegou à final contra o Nacional do Uruguai, que também aspirava a seu primeiro título na competição. O troféu só foi definido em campo neutro, no Chile, após dois empates sem gols. Cardoso marcou um dos gols da vitória racinguista por 2 x 1, tornando-se herói no clube.[2]

O ano terminou com a conquista inédita do Mundial de Clubes, que time argentino algum havia vencido - o Independiente falhara em suas duas oportunidades até então. O Racing venceu os escoceses do Celtic também em campo neutro, em Montevidéu, após uma vitória para cada lado, enfrentando a grande pressão da torcida uruguaia (que apoiava os britânicos em nome da rivalidade com os argentinos).[1]

Cardoso ficou por mais dois anos no Racing, voltando ao Brasil para jogar no Náutico, mas ficou apenas quarenta dias na equipe de Recife. Após deixar de jogar, tornou-se funcionário do Departamento Estadual de Portos, Rios e Canais, aposentando-se ali como fiel de armazem. Retornou à Argentina para o seu querido Newell's Old Boys, onde aposentou-se pouco depois dos trinta anos. Seguiu festejado no Racing, sendo bastante celebrado no aniversário dos 40 anos do título mundial, em 2007.[1]

Títulos

Grêmio
Racing
  • Libertadores da América: 1967
  • Mundial de Clubes: 1967

Entrevistas

Notas

a. ^ Foram contabilizados o total de partidas e gols somando as duas passagens do atleta pelo clube.

Banco de dadosEstatística como jogador do Grêmio

GRÊMIO Jogos Vitórias Empates Derrotas Gols pró Gols contra Saldo de gols Aproveitamento
Mandante
25
15
4
6
65
28
37
65.3%
Visitante
45
26
7
12
117
63
54
63%
Total
70
41
11
18
182
91
91
63.8%

A estatística está em processo de contagem no Banco de Dados, e pode sofrer alterações. Quando estiver completa, esta mensagem será suprimida.

Banco de dadosPartidas como jogador do Grêmio

Estreia
Grêmio 2 x 0 Novo Hamburgo - 07/11/1959
Último Jogo
Grêmio 2 x 3 São José - 23/01/1962


Banco de dados.png

Referências

  1. 1,00 1,01 1,02 1,03 1,04 1,05 1,06 1,07 1,08 1,09 1,10 1,11 1,12 CASSOL, Daniel; STÉDILE, Miguel (fevereiro de 2008). Cardoso, el campeón del mundo Revista Brasileiros, ed. 7. Visitado em 07/11/2010.
  2. Herói de argentinos, brasileiro celebra 45 anos de gol histórico Portal Terra