Usuário:Leonardo Reis

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Leonardo
Leonardo
Informações pessoais
Nome completo Leonardo Reis de Souza
Data de nasc. 09 de março de 1983 (37 anos)
Local de nasc. Porto Alegre Rio Grande do Sul, Brasil Brasil
Apelido Dado, Léo, Dadinho
Informações profissionais
Posição Editor do Site
Site oficial https://twitter.com/LReissouza

https://1pmfg.com

Na Grêmiopédia
Anos Função Edições
Editor 1 633

Gremista

Infelizmente, não lembro ao certo qual o primeiro jogo que fui no Olímpico. Lembro vagamente que era noite, de um dia de semana, não muito frio, em meados dos anos 1980. Certamente era um jogo de Gauchão e o placar foi elástico. Por um bom tempo, meu pai me levou só em jogo fraco, pra diminuir o risco de uma derrota. Curiosamente, acho que comecei a ir mais a jogos a partir da primeira passagem pela Segunda Divisão, em 1992. Fomos no jogo do dilúvio da final da Copa do Brasil de 1993 e também na decisão do título de 1994. Em 1995, eu virei "Estudante Gremista", que era uma modalidade de associação que pagava bem barato e dava acesso às sociais. Entre 1995 e 1998, eu praticamente não faltei jogos. Eram bons tempos de poucas responsabilidades. Depois disso, a frequência ao estádio viveu altos e baixos. Quando a minha irmã passou a compor o trio de ida aos jogos comigo e com o meu pai, ganhamos novo ânimo a partir de 2007 e fomos bem intensos até a despedida do Olímpico. Na Arena, também tivemos alguns momentos de afastamento por diversos motivos. Em 15 de setembro de 2018, no aniversário de 115 anos do Grêmio, levei o meu gremistinha mais velho, na época com um pouco mais de dois anos, pela primeira vez no estádio. Vimos o Grêmio ganhar do Paraná por 2 a 0. O meu mais novo ainda não teve a oportunidade, mas em breve isso deve ser corrigido.


Pesquisador

O meu interesse pela história do futebol começou com diversas pequenas coisas. No começo de 1995, a Zero Hora publicou uma tabela da Segunda Divisão Gaúcha, com os distintivos dos times. Eram 23 times, 23 distintivos! Achei aquilo fantástico. No final do mesmo ano eu ganhei de Natal um calendário do Grêmio que em cada data tinha algum fato importante da história do clube. Me chamaram muito a atenção, principalmente, os jogos das excursões ao exterior. Comecei a tentar anotar tudo o que eu conseguia descobrir de jogos do clube e fazer uma lista, mas eu nem tinha conhecimento de onde podia procurar. Mais ou menos na mesma época, foram publicadas duas séries de pequenas reportagens no Jornal do Comércio, de Porto Alegre: a primeira delas trazia a foto de cada campeão da Libertadores; a segunda era sobre estádios antigos de Porto Alegre. Meu pai recortava e trazia pra casa. E, finalmente, em 1996, eu li um livro que, sem exagero algum, mudou a minha vida: Histórias que a bola esqueceu - A trajetória do Esporte Clube Metropol e de sua torcida, de José da Silva Jr. Fui com a minha vô comprar esse livro na banca da UFSC na Feira do Livro de Porto Alegre daquele ano. Quando terminei de ler, a única coisa que eu pensava era que eu gostaria de eu mesmo ter escrito aquilo e que algum dia queria fazer alguma coisa parecida.

Com o passar do tempo, fui me "especializando" em algumas coisas relacionadas com a história do futebol do RS. Hoje, eu considero que a minha pesquisa, nessa área, tem três focos principais:

  • A evolução das camisetas dos times profissionais do RS (especialmente a partir de 1961), incluindo a história dos fabricantes de material esportivo do estado
  • A história do futebol de várzea de Porto Alegre (especialmente entre as décadas de 1930 e 1970)
  • A história do futebol na zona sul de Porto Alegre

Por causa disso, no final de 2018, eu criei o meu blog, o Um Pequeno Museu do Futebol Gaúcho, para dar uma ideia de como o meu trabalho vai evoluindo.

No começo de 2020, tive a oportunidade de ingressar na Gremiopédia, unindo Grêmio e pesquisa.


Colecionador

Eu também sou colecionador de itens relacionados ao futebol gaúcho. Tenho em torno de 1.200 camisetas, sendo umas 700 de times profissionais e o restante de equipes amadoras do estado. Minha coleção secundária é a de flâmulas. Minha primeira camiseta de time gaúcho que não o Grêmio foi do Juventude, no final de 1994. Minha primeira camiseta de um time amador foi a do Gaúcho de Teutônia, que ganhei do meu sogro, em 2005.