Predefinição:História de Alexi Stival

De Grêmiopédia, a enciclopédia do Grêmio
Ir para: navegação, pesquisa

Carreira

Como jogador

Cuca iniciou sua carreira de jogador no Santa Cruz (RS), em 1984, e depois jogou os dois anos seguintes no Juventude, antes de chegar ao Grêmio.

No Grêmio, onde jogou de 1986 a 1990, e novamente em 1992[1], após breve passagem pela Espanha, Cuca destacou-se como um atacante de gols decisivos, como por exemplo o da final da Copa do Brasil de 1989, que deu o título ao Grêmio.

Em 1991, Cuca disputou um amistoso pela Seleção Brasileira contra a Seleção Paraguaia: 1–1. Nesse único jogo que Cuca disputou pela Seleção Brasileira, ele não fez gols.

Depois de deixar o Grêmio, Cuca teve passagens menos marcantes por outros grandes clubes, como Internacional, Palmeiras e Santos. Até que, em 1996, aos 33 anos de idade, e mesmo sendo declaradamente torcedor do Athletico Paranaense, decidiu encerrar sua carreira no Coritiba.

Como treinador

Dois anos após parar de jogar, formou-se em Educação Física e Ciência do Esporte. Então Cuca deu início a sua carreira de treinador à frente do Uberlândia. A notoriedade como treinador somente veio durante o Campeonato Brasileiro de Futebol de 2003, quando Cuca aceitou o convite para treinar o Goiás, que havia terminado o 1º turno na última posição. Em uma recuperação impressionante, o time do Goiás acabou a competição na nona colocação, classificando-se para a Copa Sul-Americana do ano seguinte.

São Paulo

Após o excelente trabalho no Goiás, a grande chance de Cuca surgiu com o interesse do São Paulo em tê-lo como treinador para a temporada seguinte. No comando do São Paulo, Cuca chegou até as semifinais da Libertadores de 2004, quando seu time foi eliminado pelo surpreendente Once Caldas. Desgastado com a diretoria do São Paulo, deixou o clube no mesmo ano, contudo, foi responsável pela contratação de jogadores como Fabão, Grafite e Danilo, que levariam o São Paulo à conquista da Libertadores e do Mundial de Clubes de 2005. Saiu do São Paulo em agosto de 2004.

Grêmio

Cuca seguiu sua carreira no Grêmio de setembro a dezembro de 2004, mas não obteve sucesso. O time foi rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Flamengo

Estreou no Flamengo no dia 15 de fevereiro de 2005, quando o time empatou em 1–1. Cuca não fez sucesso no Flamengo e foi demitido em 16 de abril de 2005.

Coritiba

Estreou no Coritiba em 5 de maio de 2005 e foi demitido no dia 14 de outubro de 2005 após perder 3 vezes seguidas.

AD São Caetano

No São Caetano, estreou no final de 2005, mas não conseguiu se destacar novamente e não repetindo os bons trabalhos que o haviam tornado um treinador de fama.

Botafogo

Foi neste contexto que, em 2006, Cuca iniciou seu trabalho no Botafogo, um trabalho de dois anos que o recolocou no patamar dos melhores treinadores do Brasil. Responsável pela montagem de um time que contava com Dodô, Zé Roberto, Lúcio Flávio e Jorge Henrique, Cuca resgatou o Botafogo para a disputa de títulos nacionais.

Em 2007, o Botafogo era tido como o time de futebol mais vistoso no Brasil, e não foi à toa que aquela equipe liderou o Campeonato Brasileiro da 6ª até a 18ª rodada. No final, porém, o título acabou nas mãos do São Paulo, enquanto o Botafogo acabava a competição na nona posição. Paralelamente ao declínio no Brasileiro, o Botafogo viveu o drama da eliminação na Copa Sul-Americana, quando foi derrotado nas oitavas-de-final para o River Plate. Vencendo a partida por 2–1 e com o adversário com dois jogadores a menos, o Botafogo acabou permitindo a virada do time argentino, o que acabou desencadeando o pedido de demissão de Cuca.

Curiosamente, três jogos depois de pedir demissão, nove dias no total, Cuca aceitou retornar ao comando do Botafogo. Mantendo o bom trabalho, Cuca conseguiu levar o Botafogo às finais do Campeonato Carioca de 2008, contra o Flamengo, repetindo a decisão do ano anterior. Porém, o Botafogo perdeu o título para o Flamengo.

A falta de títulos, apesar de seu reconhecido bom trabalho à frente do Botafogo, acabou por resultar em seu desligamento com o clube alvinegro depois da eliminação na Copa do Brasil. Daí por diante, ainda em 2008, Cuca teve passagens desastrosas pelo Santos e Fluminense.

Segunda passagem pelo Flamengo

Em 2009, Cuca acertou sua ida para o Flamengo, quando enfim conseguiu conquistar seu primeiro título expressivo na carreira, quando o Flamengo sagrou-se tricampeão carioca diante do Botafogo. Em 22 de julho de 2009, Cuca foi demitido do time carioca, após trinta e nove jogos.[2] No total, Cuca teve dezenove vitórias, treze empates e sete derrotas.

Fluminense Football Club

Em 1 de setembro de 2009, Cuca foi anunciado novamente como novo treinador do Fluminense Football Club.[3] Quando chegou ao clube, o Fluminense era dado como rebaixado para Serie B. Matemáticos calculavam 98% de chance de rebaixamento. Foi nesse contexto que Cuca liderou o clube, que depois de ter trocado de técnico 4 vezes no mesmo ano, conseguiu a façanha: a fuga do rebaixamento em 2009. No mesmo ano, Cuca ainda conseguiu o vice-campeonato da Copa Sul-Americana.

Porém, em 19 de abril de 2010, com o fracasso da equipe no Campeonato Carioca, foi demitido.[4]

Cruzeiro

Em 8 de junho, Cuca foi anunciado como treinador do Cruzeiro, com contrato até dezembro de 2011.[5][6] Logo em sua estréia a equipe mineira conseguiu uma vitória de 2–0 sobre o Athletico Paranaense.[7] Durante os primeiros jogos, o trabalho de Cuca destacou-se pela melhoria da defesa da equipe. Em seis partidas, foram apenas 3 gols sofridos.[8][9]

Conseguiu garantir a classificação do Cruzeiro para a disputa da Libertadores de 2011 com antecedência, após a vitória sobre o Vasco por 3–1, em 21 de novembro. Terminou o campeonato com o clube na segunda colocação, apenas dois pontos atrás do campeão, o Fluminense. Em 2011 foi campeão mineiro; contudo, após uma eliminação precoce na Libertadores e um início ruim no Brasileiro, Cuca deixou o comando da equipe em junho de 2011, sendo substituído por Joel Santana.

Atlético Mineiro

Cuca foi anunciado como o novo treinador do Galo, em substituição a Dorival Júnior. Após perder as seis primeiras partidas, sendo duas pela Sul-Americana e quatro pelo brasileirão, ele chegou a entregar o cargo após a derrota para o arquirrival, porém foi convencido pelos jogadores a continuar como treinador da equipe. Cuca conseguiu equilibrar a equipe e começou uma campanha de recuperação incrível que livrou o time do rebaixamento para a Série B.

No primeiro semestre de 2012, Cuca conquistou novamente o Campeonato Mineiro, mas desta vez pelo Atlético e de forma invicta, o que não acontecia há 36 anos no clube. Nas oitavas de final da Copa do Brasil, após uma sequência de 14 jogos invictos no ano, intercalados entre Campeonato Mineiro e Copa do Brasil, o Atlético foi derrotado no Serra Dourada pelo Goiás no jogo de ida e não conseguiu reverter a situação em casa no jogo da volta, consequentemente sendo eliminado da competição. Com isto o time focou no Campeonato Brasileiro e se reforçou com nomes de peso como Ronaldinho Gaúcho, Victor e Jô. Cuca conseguiu montar um time veloz e perigoso nas bolas aéreas , e levou o Atlético ao vice-campeonato Brasileiro e consequentemente à Taça Libertadores, o que não ocorria desde 2000. Para muitos comentaristas de Futebol , o Atlético apresentava o melhor futebol da competição, e depois de uma campanha espetacular no primeiro turno, com 43 pontos em 19 partidas, o Atlético terminou o Campeonato com 72 pontos, 6 pontos atrás do Fluminense que foi o campeão naquele ano. Em 2013, levou o time a seu primeiro título da Libertadores, ao bater o Olímpia do Paraguai nas finais, em um jogo dramático, decidido nos pênaltis. Assim, dando adeus a fama de azarado.

Ao final de 2013, especulou-se a saída de Cuca do comando do Atlético Mineiro. Porém, no dia 20 de novembro de 2013, o presidente do Galo, Alexandre Kalil, deu fim às especulações. Anunciou a renovação do contrato do treinador, campeão da Libertadores, por mais um ano, até o final de 2014, quando Kalil encerra seu mandato de presidente.[10]

No dia 18 de dezembro após derrota por 3–1 para o Raja Casablanca, no Mundial de Clubes, foi confirmado sua saída do Atlético Mineiro, passando a partir de 2014 a treinar o time chinês.

Shandong Luneng

Cuca estreou no comando do Shandong Luneng com vitória de 1–0 sobre o Harbin Yiteng, em partida válida pela Super Liga Chinesa.[11] No Shandong Cuca foi campeão da Copa da China logo na primeira temporada e a Supercopa do país, em 2015. Mas não teve sucesso no campeonato nacional, terminando em terceiro lugar, mas ao menos garantindo a volta à etapa preliminar da próxima edição da Champions da Ásia. Na última edição do torneio continental, o time não foi bem, parando ainda na fase de grupos. Em 6 de dezembro de 2015 o treinador deixou o time chinês e foi substituído por outro brasileiro, Mano Menezes.[12]

Palmeiras

Em 12 de março de 2016, Cuca voltou ao Brasil como técnico do Palmeiras, onde foi jogador em 1992, assinando até o fim do ano.[13][14] Em abril, prometeu que seria campeão brasileiro[15] e, em 27 de Novembro de 2016, a promessa tornou-se realidade: Cuca consagrou-se campeão com o Palmeiras, com uma vitória por 1x0 sobre a Chapecoense, vencendo, assim, o Campeonato Brasileiro de 2016. A conquista encerrou um jejum de 22 anos do time paulista sem aquele título.[16] Três dias depois, o Palmeiras informou que Cuca não continuaria na equipe em 2017. O treinador citou razões pessoais para não seguir no comando.[17]

Segunda passagem pelo Palmeiras

Em 5 de maio de 2017, é anunciado o retorno de Cuca ao Palmeiras com contrato válido até o final de 2018.[18]

Reestreou pelo Palmeiras no dia 14 de maio, goleando o Vasco por 4x0 pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro de 2017, no Allianz Parque. Acertou sua saída do clube em 13 de outubro de 2017.[19]

Estilo de Jogo

A marca mais importante da carreira de Cuca são os times que montou, não os troféus que ergueu.[20] Não a toa, o ex-jogador e treinador Mário Sérgio defendia a tese de que Cuca é o treinador brasileiro que melhor indica jogadores para serem contratados para suas equipes.[21]

Em 2007, no Botafogo, Cuca despontou de fato para o futebol brasileiro como um "técnico inventivo, de soluções criativas para a equipe".[22] O Botafogo de 2007 destacava-se muito pela movimentação, a ponto de ser chamado de “Carrossel Alvinegro”, e pelas variações táticas, às vezes dentro de uma mesma partida. No Atlético Mineiro, campeão da Libertadores, time que ficou conhecido como "Galo Doido", Cuca apostava bastante nas bolas longas e era espaçado dentro de campo, aproveitando a qualidade de Jô como pivô, os cruzamentos dos laterais, e marcando bastante para dar liberdade para Ronaldinho Gaúcho criar. Isso causava uma certa instabilidade defensiva, que era compensada no volume de jogo extravagante quando as partidas eram disputadas no Independência.[23]

Mesmo com esses atributos, porém, André Rocha diz que "Cuca é mais um técnico antiquado nos conceitos de jogo.[22] É um técnico híbrido, com intensidade e vocação ofensiva, mas anacrônicos encaixes individuais e ligações diretas."[24]

"Cucabol"

Em 2016, o jornalista Mauro Cezar Pereira, da ESPN, cunhou o termo "Cucabol" para definir o estilo de jogo do treinador, que vinha desde seus tempos de Atlético Mineiro. Segundo o jornalista, "quando sob pressão, precisando buscar o resultado, o Cucabol usa e abusa de cruzamentos na área adversária, inclusive com as mãos, em cobranças de lateral".[22] O blogueiro e jornalista Ricardo Perrone, defende que "Cucabol, assim como o Muricybol foi no São Paulo, não é sinônimo de pobreza tática. Expressões assim remetem a times bem treinados, que executam fundamentos com perfeição na maior parte do tempo. São casos em que o suor derramado nos treinamentos faz a estratégia estabelecida dar certo."[25]

Origem do apelido

O nome do técnico é Alexi Stival, mas o treinador recebeu o apelido por ter sido uma criança muito bagunceira na infância, vivida em Curitiba.

Títulos

Como jogador

Grêmio
Internacional
Remo
  • Campeonato Paraense: 1994
Chapecoense
  • Campeonato Catarinense: 1996

Como treinador

Botafogo
  • Copa Peregrino: 2008
  • Taça Rio: 2007 e 2008
Flamengo
  • Campeonato Carioca: 2009
  • Taça Guanabara: 2009
Cruzeiro
  • Campeonato Mineiro: 2011
Atlético Mineiro
Shandong Luneng
  • Copa da China: 2014
  • Supercopa da China: 2015
Palmeiras

Prêmios individuais

  • Agradecemos ao torcedor do Internacional e pesquisador esportivo Alvirubro, por informações contidas nesse artigo, que permitiram recuperar parte importante da história do Grêmio.
  • GloboEsporte.com (22 de julho de 2009). Cuca não é mais técnico do Flamengo.
  • GloboEsporte.com (1 de setembro de 2009). Desmotivado, Renato Portaluppi é demitido do Flu, e Cuca assume o cargo.
  • GloboEsporte.com (19 de abril de 2010). Cuca é demitido do Fluminense. Muricy Ramalho é o mais cotado.
  • Cruzeiro acerta com o técnico Cuca Página oficial do Cruzeiro
  • Cuca chega ao Cruzeiro com a meta de fazer trabalho de longo prazo UOL Esporte
  • Cruzeiro se reabilita na estreia de Cuca e derruba o Athletico Paranaense iG Esporte
  • Defesa é o ponto forte do Cruzeiro comandado pelo técnico Cuca Globoesporte.com
  • Defesa do Cruzeiro é uma das menos vazadas do Brasileirão Brasil Esporte
  • Pelo twitter, Kalil anuncia renovação de contrato do técnico Cuca Globoesporte.com
  • Técnico Cuca estreia com vitória na China UOL Mais (08/03/2014).
  • Shandong Luneng confirma saída de Cuca e contratação de Mano Menezes Globoesporte.com (06/12/2015).
  • Cuca assina contrato com o Palmeiras e será apresentado na segunda-feira GloboEsporte (12 de Março de 2016).
  • Palmeiras confirma contratação de Cuca como novo treinador Terra (13/03/2016).
  • Cuca enaltece garra e projeta Brasileiro: "Seremos campeões" GloboEsporte (24 de Abril de 2016).
  • É enea! Palmeiras bate Chapecoense e conquista o Campeonato Brasileiro GloboEsporte (27 de Novembro de 2016).
  • Por questões pessoais, Cuca não seguirá no Palmeiras Palmeiras (30 de novembro de 2016).
  • Cuca acerta até o fim de 2018 e está de volta ao comando do Palmeiras www.lance.com.br. Visitado em 2017-05-06.
  • Após decisão em comum acordo, Cuca não é mais técnico do Palmeiras palmeiras.com.br. Visitado em 2017-10-13.
  • esportes.estadao.com.br/ Cuca monta grandes times, mas coleciona poucos títulos
  • foxsports.com.br/ Cuca "contrata" melhor que Tite, opina Mário Sérgio
  • 22,0 22,1 22,2 espn.uol.com.br/ Cucabol
  • trivela.uol.com.br/ Ex-jogadores de Cuca explicam por que ele é um técnico que vai muito além do Galo Doido
  • andrerocha.blogosfera.uol.com.br/ Cuca, o técnico “híbrido” e complexo que volta ao Brasil
  • blogdoperrone.blogosfera.uol.com.br/ Opinião: Cuca deve ter orgulho do “Cucabol”
  • Cuca explica origem de apelido 'que virou nome'. Visitado em 2015-08-24.